conecte-se conosco

MAMaranhenseSampaio CorrêaÚltimas

Em outro patamar. Com facilidade, Sampaio vence Moto e conquista o bi do Maranhense

Publicados

em

Um título que comprova que o Sampaio Corrêa está em outro patamar no futebol do Maranhão. Único clube do estado fora da Sèrie D (vai para o segundo ano seguido na Segunda Divisão nacional), a Bolívia não tomou conhecimento do Moto Club na decisão do Campeonato Maranhense e com uma vitória por 3 a 1 conquistou o bicampeonato em cima do rival, chegando ao seu 35º estadual da história.

O troféu também ameniza um início de temporada decepcionante do Tricolor, eliminado na primeira fase da Copa do Nordeste da Copa do Brasil, o que custou o cargo do técnico Rafael Guanaes. Para o seu lugar, o clube contratou o português Daniel Neri, que também conquistou seu segundo estadual seguido, uma vez que foi campeão pernambucano no ano passado comandando o Salgueiro. 

Bicampeão e hegemônico no estado, o Sampaio agora foca todas as atenções na disputa da Série B (no ano passado o clube terminou na 6ª colocação). A estreia da Bolívia será no próximo dia 31, contra o Goiás, no Castelão.

Distribuição de vagas

Com o título do Sampaio Corrêa, a segunda vaga do Maranhão na Copa do Nordeste ficou com o Imperatriz, segundo clube do estado mais bem posicionado no ranking da CBF. O curioso é que o Cavalo de Aço foi rebaixado no Maranhense para a Série A2, como lanterna. A equipe alvirrubra vai disputar a fase pré da Regional, enquanto o Sampaio entra direto na fase de grupos.

A Bolívia também está garantida na Copa do Brasil de 2022, ao lado do Moto. O rubro-negro, com o vice campeonato, também assegurou presença na Série D. A outra vaga do estado será do campeão da Copa FMF. Por sinal, o Rubro-negro estreia na edição deste ano da Série D no dia 6 de junho, contra o vencedor do duelo entre Tocantinópolis e Picos-PI, pela fase pré da Quarta Divisão.

O jogo

Mesmo perdendo o volante Recife, os meias Cleitinho, Bolinha e Marcos Vinícius, e os atacantes Maurinho e Gleydisson, vetados por terem testado positivo para a Covid-19, não restava outra opção para o Moto Club a não ser partir para cima desde o início da partida. E foi isso que o Rubro-negro fez, com Negueba desperdiçando uma boa chance logo no primeiro minuto, de cabeça. Porém, passado o susto, o Sampaio foi, aos poucos, impondo a sua melhor qualidade técnica, dominando a partida.

Logo aos nove minutos, o atacante Ciel também desperdiçou boa oportunidade após jogada individual do sempre arisco Pimentinha. Em jogada semelhante, o camisa 99 perdeu outra chance, aos 12. Porém, não demoraria para a Bolívia fazer jus a sua superioridade. 

Dois minutos depois, o capitão Ferreira, com liberdade, arriscou de fora da área, rasteiro, no canto do goleiro Joanderson abrindo o placar na decisão. Com a vantagem do adversário ampliada, o técnico Júnior Amorim não esperou o intervalo para fazer a primeira mudança no Moto, tirando o volante Mauro para a entrada do meia Lenílson. Porém, o Sampaio seguia muito melhor.

Aos 28, o lateral Erick Daltro entrou na área e foi derrubado, sem necessidade, pelo goleiro Joanderson. Na cobrança, Ciel bateu forte, no canto superior direita, deixando a Bolívia com uma mão e meia na taça ainda no primeiro tempo do Superclássico. Antes do intervalo, o Sampaio ainda desperdiçaria outras duas oportunidade, com a dupla Ciel e Pimentinha.

Domínio segue no segundo tempo

A etapa final começou de forma idêntica à primeira. No desespero, o Moto se atirou ao ataque e desperdiçou chances com Negueba e Lenílson. Mas logo depois, novamente, o Sampaio se impôs. Assim, chegou ao terceiro gol com facilidade.

Em contra-ataque aos 15 minutos, Pimentinha recebeu dentro da área, deixou o zagueiro Marquinhos no chão, e soltou a bomba para fazer o terceiro e garantir de vez o título. Aos 28,  Wanderson, de cabeça, fez o gol de honra do Moto, que teve o mérito de não se entregar na partida. Mas já era muito tarde. Sampaio Corrêa bicampeão maranhense. Em outro patamar.

Ficha do jogo

Moto Club 1
Joanderson; Everton (Wanderson), Antônio Lara, Marquinhos e Vinicius Paiva (Camarão); Mauro (Lenílson), Victor Manoel, João Vitor (Ronald) e Flamel (Guilherme); Negueba e Felipe. Técnico: Júnior Amorim.

Sampaio Corrêa 3
Mota; Sávio, Joécio, Victor Oliveira e Erick Daltro; Ferreira, André Luiz (Wesley) e Guilherme Teixeira (Eloir); Pimentinha (Dudu), Jajá (Rodrigo Andrade) e Ciel (Jefinho). Técnico: Daniel Neri.

Local: Estádio Castelão, em São Luís
Árbitro: Mayron Frederico dos Reis Novaes
Assistentes: Raphael Max Borges Pereira e Elson Araújo da Silva
Gols: Ferreira, aos 14 min, Ciel aos 30 min do 1º, Pimentinha, aos 15 min e Wanderson, aos 28 min do 2º tempo.
Cartões amarelos: João Victor, Antônio Lara, Negueba (M)
Expulsões: Dudu (S) e Guilherme (M)

Trending