conecte-se conosco

CEPESanta CruzSérie CÚltimas

Bolívar diz que Santa evoluiu contra o Floresta, mas pede calma por encaixe

Foto: Rafael Melo/Santa Cruz

Publicados

em

Nem de todo ruim. Apesar do empate em 0 a 0 com o Floresta, no Arruda, o técnico do Santa Cruz, Bolívar gostou do que viu. Segundo o treinador, o time apresentou evolução clara em relação à partida anterior, quando foi facilmente derrotado para o Manaus, na estreia da Série C. Ao mesmo tempo, o comandante coral também reconheceu algumas que deficiências detectadas no elenco precisam de melhora, e por isso, pediu paciência para que o grupo possa encontrar o encaixe ideal.

O time até teve volume no 2T (o maior nesta largada do BR), mas o futebol de uma maneira geral foi sofrível…

Veja a coletiva, na íntegra

Perdas repentinas de atletas

“Tivemos essa notícia pela manhã Wallace, no último treinamento nosso ele sentiu desconforto e aguardamos o dia de hoje para ver se havia uma melhora e o DM achou por bem vetar o Wallace, até porque era uma lesão pequena e poderia agravar. A gente acabou perdendo o Madson aos 20 minutos de jogo, numa infelicidade, acabou tendo um problema no tornozelo e era um dos atletas que a gente tinha trabalhado durante a semana. Fizemos as as alterações, os atletas que entraram estiveram preparados. Acho todos os atletas que entraram deram seu melhor, mas infelizmente a vitória não veio”.

Avaliação do time no jogo

“O que tem que ficar muito claro é que a gente acabou chegando no Santa Cruz tendo toda uma reformulação, muitos jogadores saindo, não vai ser da noite para o dia que vamos ter essa equipe bem encaixada, bem entrosada. Acho que houve uma evolução da primeira partida, que foi muito abaixo, para essa segunda de hoje, mesmo não tendo a vitória. Acho que temos que analisar os acréscimos que a gente teve dentro do jogo, podendo fazer uma transição muito rápida, chegando pelos dois lados do campo com vários cruzamento. Hoje tivemos sete finalizações, contra uma da equipe do Floresta, então, acho que isso foi importante. Agora claro, a gente sabe como é importante colocar a bola pra dentro, mas acho que temos que analisar com calma, temos que ver que é um grupo novo, jogadores que estão ainda estão se conhecendo. Então, é saber que o trabalho continua, precisamos continuar confiando nos atletas para que a gente possa buscar nossos objetivos”.

Deficiências do time/como solucioná-las

“Eu acho que a resposta que a gente não pode considerar um futebol pobre. Se a gente tivesse, por exemplo, vencido por 1 a 0, não seria mil maravilhas. Não é assim o futebol. Tem que ter uma leitura, de ver qual a evolução que a equipe teve, então, essa pergunta é uma pergunta que fica muito vazia. Tem que ser feito uma leitura de evolução de equipe, e a equipe evoluiu e quem acompanhou viu uma evolução de uma primeira partida para uma segunda. E a tendência é melhorar cada vez mais. É saber que vamos ter outros jogadores retornando, de repente o Wallace vai estar à disposição, porque foi uma situação simples dele, então é manter tranquilidade”.

Faltou intensidade?

Não concordo. O jogo acaba e desenhando se você vai colocar intensidade numa transição ou não. E o Floresta foi uma equipe que acabou sendo reativa por muitos momentos, e não tem como você ter uma intensidade, porque é uma equipe que fica sozinha nessa transição rápida. Você tem que ter muito cuidado e é preciso transitar essa bola – e a gente acabou chegando muito pelos lados do campo, sendo vertical nessa última parte do campo. Só o Weriton cruzou umas oito bolas, o próprio Eduardo cruzou mais três, quatro bolas, e conseguimos fazer esse cruzamento. Faltou a última definição, que é a bola para dentro da rede, mas acho que a gente vai ganhando aos poucos. O torcedor precisa acreditar. Eu sempre que ele vem de um tempo desconfiado dessa equipe, mas estamos trabalhando com muita dedicação e pode ter certeza que a comissão e esses atletas vão honrar sempre essa camisa.

Descrença do torcedor com o trabalho até aqui

O torcedor a gente respeita sempre muito e ele quer a vitória como nós. A gente fica muito chateado quando a vitória não vem. A gente passou por uma reformulação, contratou muitos atletas, é uma equipe totalmente nova. Se a gente pegar a escalação de hoje, praticamente 80% dos jogadores atuaram pela primeira vez juntos. A gente está fazendo as alterações ainda para achar a equipe ideal, então, é difícil pedir paciência, porque vem de alguns anos batendo na trave, mas acho que a gente está no caminho certo. É procurar trabalhar e procurar confiar nesses atletas. Nós vamos crescer no momento certo e eu tenho certeza que os atletas vão dar uma resposta para gente crescer na competição.

Estreias de Adriano Michael Jackson e Rondinelly

A escolha do Wallace e do Madson era pra ser inicial, mas Wallace acabou não tendo a condição, a escolha pelo Adriano por ser um cara que vem treinando muito bem e afaz essa função muito bem, como fez na Jacuipense no ano passado, a gente conheceu o atleta dessa maneira e acabou tendo sua estreia e acho que foi uma boa estreia. Não veio a vitória, infelizmente, mas temos que ver toda a sua movimentação, toda a parte tática que ele desempenhou dentro de campo e isso foi fundamental. É ter a tranquilidade para acreditar nesses atletas porque eles estão representando um clube muto grande e a gente sabe da importância que tem esse acesso. Acho que o Rondinelly foi muito importante, fez uma estreia muito boa, ele deu uma dinâmica no meio de campo, se aproximando do Chiquinho. A gente sabia que teria muita dificuldade no meio de campo, e ele foi um jogador que nos deu uma boa dinâmica por dentro.

Ganho com possíveis estreias de Wallace e Lucas Batatinha

O Wallace, como falei, é um cara que é um problema mais simples e acredita que no meio de semana a gente já vá ter ele à disposição. O Lucas a gente vai avaliar ainda essa semana com o DM qual a real situação dele, mas houve evolução muito grande desde que iniciou sua transição. Então vamos aguardar essa semana para ter eles todos aptos

Ouça a partir do minuto 05′:

Trending