conecte-se conosco

BACopa do BrasilÚltimasVitória

Ramon detalha estratégia, cita Chagas e exalta atitude do Vitória

Novo técnico avaliou a classificação contra o Inter, pela Copa do Brasil

Foto: Divulgação/ EC Vitória

Publicados

em

A estreia do técnico Ramon Menezes no Vitória foi a melhor possível: com um triunfo maiúsculo e classificação às oitavas de final da Copa do Brasil sobre o poderoso Internacional, no Beira-Rio. Depois do jogo, em entrevista coletiva, o treinador falou sobre o momento e dedicou o resultado ao ex-comandante rubro-negro, Rodrigo Chagas.

LEIA: Letal, Vitória aproveita expulsão, derrota Inter e se classifica às oitavas da Copa do Brasil

“Primeiro falar da minha felicidade. Estava muito feliz com a oportunidade de retornar ao clube. Dedico essa vitória ao torcedor. Acho que o torcedor hoje está muito feliz com o que viu. Fiquei até emocionado. Você imagina a festa que foi no vestiário. Dedico ao torcedor e dedico ao Rodrigo, que é um cara que eu gosto muito”, iniciou, antes de completar.

“Falei para ele que, se não fosse eu, seria outra pessoa. Quando o Paulo me ligou, não poderia falar não para o Vitória. Espero que ele tenha entendido. A gente espera por ele dentro do clube. Tem muito do dedo dele aqui. Muito satisfeito com minha chegada, as informações que tive para que a gente pudesse fazer esse grande jogo”, acrescentou.

Além disso, Ramon falou sobre a postura dos atletas, o que definiu como substancial para a equipe. Depois de ir para o intervalo com o jogo zerado, o Leão abriu o placar, levou o empate e reagiu com dois gols na reta final, fazendo 3 a 1. 

“Fundamental foi o espírito, a atitude. Acho que destaco o grupo de jogadores, terem entendido a estratégia. Acho que tem bastante tempo que o Vitória não começa um jogo com três zagueiros, poderia ter sido questionado. Pressionamos o Inter desde o começo. O importante era não tomar o gol. Tínhamos 90 minutos para resolver nossa situação”, analisou.

Por fim, o treinador detalhou justamente a estratégia na partida, já que iniciou com um trio de zagueiros tendo tido apenas um trabalho, algo que o Vitória nunca fez com Rodrigo Chagas.

“Quando entramos com três zagueiros, o que pensei foi para correr o risco que era evidente, adiantar a marcação na saída de bola do adversário. As equipes de Ramírez têm por característica sair jogando lá atrás. Poderíamos fazer uma pressão principalmente no tiro de meta. Lógico que a qualidade técnica do Inter é incontestável. Esse foi o pensamento”, disse.

“Lógico que por ter sido o primeiro jogo com essa formação, tivemos um pouco de dificuldade. Estudamos bastante o Inter. Tivemos um pouco de dificuldade, é uma equipe que circula muito bem. Mesmo nós com um jogador a mais no segundo tempo, se pegarmos a posse, a do Inter foi maior”, concluiu.

Ouça a partir do minuto 26′:

Trending