conecte-se conosco

PESportÚltimas

Torcedores do Sport protestam na Ilha por eleição direta: ‘Não ao golpe’

Rubro-negros pediram ”respeito ao estatuto”; CD se reúne esta noite

Foto: Perfil do Twitter NEWS 1905/ Reprodução

Publicados

em

A insatisfação da torcida com o atual momento político do Sport saiu do campo virtual e virou contestação presencial. Na tarde desta quarta, um grupo de rubro-negros se dirigiu à Ilha do Retiro para realizar protestos e cobrar eleição direta (todos os sócios aptos a voto) após a renúncia do presidente Milton Bivar e do vice-presidente Carlos Frederico, formalizadas na noite passada.

LEIA: Em longo pronunciamento, presidente do CD pede pacificação e diz que futuro do Sport será definido em trabalho colegiado
LEIA: Além de Bivar, vice também renuncia e Conselho do Sport marca reunião para esta quarta
LEIA: Ex-vice do Sport, Carlos Frederico explica renúncia e critica racha: “Investidas contra a democracia”

Faixas e cartazes com os dizeres ”eleição direta”, ”não ao golpe” e ”respeitem o estatuto”, além de gritos de ”democracia” foram os principais pedidos entre os torcedores que estiveram no clube.

Protesto da torcida na sede da Ilha do Retiro. Foto: Perfil do Twitter NEWS 1905/ Reprodução

Desde a última segunda, quando Milton Bivar emitiu uma carta de renúncia, o futuro do clube ficou em aberto. E com o vice seguindo o mesmo caminho, há uma vacância simultânea dos cargos, o que implica em eleições indiretas (participação apenas do CD), segundo o artigo 88 do estatuto.

Porém, ainda de acordo com o artigo 88, também precisa ser observado o que aborda o artigo 86, que no contexto atual do Sport diz respeito à renúncia de Milton Bivar antes da metade do mandato – foi reeleito em abril. Assim sendo, o presidente eleito pelo Conselho assume de forma apenas interina e tem 15 dias para convocar eleição direta, fazendo o papel do vice.

Entretanto, segundo Gustavo Oiticica, vice-presidente do órgão, na tarde da última terça, ao NE45, não é assim que se procede e quem for escolhido de forma indireta assume de forma definitiva, até o fim do mandato, ou seja, término de 2022. A reportagem, contudo, retrucou Gustavo Oiticica, reproduziu os artigos do estatuto e trouxe um especialista no tema, que reiterou as leis do clube, na ocasião.

Trecho do estatuto do Sport que aborda Direção Executiva. Foto: Reprodução

E a partir de algumas declarações, como a de Gustavo Oiticica, que está o receio dos torcedores: a possibilidade de o clube passar apenas por votação entre os conselheiros e este presidente eleito indiretamente permanecer até o final do ano que vem, contrariando o estatuto.

No início da tarde desta quarta, aliás, o presidente do CD, Pedro Lacerda, emitiu um longo pronunciamento, onde pede pacificação e diz que o futuro do Sport será definido de forma colegiada. ‘Nosso clube não suporta mais o grande embate político traduzido em um processo eleitoral’, afirmou.

Nesta noite, inclusive, o Conselho Deliberativo tem reunião extraordinária, às 19h, para abordar a vacância dos cargos e definir o caminho a ser trilhado pelo Sport.

Ouça a partir do minuto 38′:

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trending