conecte-se conosco

PESportÚltimas

Sport e Magrão chegam a acordo para quitar débito à vista no valor de R$ 1,1 mi

Montante foi levantado a partir do que é retido na Justiça do Trabalho

Foto: Anderson Stevens/ Sport Recife

Publicados

em

O ex-goleiro Magrão e o Sport chegaram a um acerto, de maneira amigável, para a quitação do débito do clube à vista, no valor de R$ 1.107.938,00. O deferimento ocorreu na tarde da última quarta-feira no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 6ª região. Confira abaixo.

Foto: Reprodução
LEIA: Nelo Campos será novamente candidato à presidência do Sport

Diretor do clube e responsável por conduzir esse processo no jurídico à época, Manoel Veloso explicou ao NE45 que o pagamento desta dívida se deu a partir dos montantes que ficam na Justiça, isto é, a cada valor recebido pelo Sport – seja de cota, venda de jogadores, premiação ou direitos de transmissão -, 20% é retido justiça para pagamento de débitos trabalhistas, que é o caso de Magrão. Assim, nenhum valor partiu do caixa do clube.

“Todas as nossas receitas, 20% ficam na 12ª vara. O dinheiro não é nosso, é retido do que temos direito para pagar aos credores na Justiça do Trabalho. Esse acordo com Magrão foi o seguinte: ele abriu mão de algumas coisas para receber integralmente. Mas a gente não vai tirar do caixa do clube, iremos usar o dinheiro que está lá (retido)”, disse.

“Lá tem um monte de dinheiro, mas eu não posso dispor, porque é uma penhora. Mas ao mesmo tempo eu posso fazer acordos com os credores que não estão na 12ª vara e levo para o juiz para ele me autorizar a pagar aos credores. Que o dinheiro é para isso mesmo, pagar essas dívidas. O dinheiro não saiu do caixa do clube”, acrescentou Manoel Veloso.

Ídolo rubro-negro, Magrão deixou a Ilha do Retiro há dois anos, de forma conturbada, quando faltou à reapresentação do elenco após a Copa América e, logo em seguida, acionou o Sport na Justiça por dívidas trabalhistas.

De início, o ex-goleiro cobrou cerca de R$ 5 milhões, mas após reuniões chegou-se a um acordo e o valor da ação caiu para R$ 1.875.000,00, que seriam pagos a partir de agosto de 2019 em 44 parcelas de R$ 42.613,66, ou seja, até abril de 2023.

No ano passado, aliás, o débito ganhou um novo capítulo, quando as partes acertaram, durante a paralisação dos jogos pela pandemia da Covid-19, para o adiamento de três parcelas (meses de abril e junho, além de 50% de maio e 50% de julho).

Porém, pouco depois desse acordo, o clube acionou a justiça para suspender o pagamento  da dívida por até 90 dias, sob a justificativa da crise sanitária. E conseguiu. Contudo, logo em seguida Magrão entrou com um recurso, que foi concedido pelo TRT, onde prevaleceu o primeiro acerto da pandemia.

História 

Na Ilha do Retiro, Magrão construiu uma bonita história – para muitos, a maior em 116 anos do Sport. No total, foram 14 temporadas, sendo o recordista de jogos e títulos: 732 partidas e dez troféus, dentre eles a Copa do Brasil de 2008, uma das maiores conquistas do clube.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trending