conecte-se conosco
Roberto Fernandes, técnico do Santa Cruz Roberto Fernandes, técnico do Santa Cruz

PESanta CruzSérie CÚltimas

Mesmo frustrado, técnico do Santa Cruz diz: ‘Se render não é para mim’

Foto: Rafael Melo/Santa Cruz

Publicados

em

O Santa Cruz perdeu mais uma vez na Série C, dessa vez para o Manaus, por 2 a 1, no Arruda. A situação piora cada vez mais, com o Tricolor igualando sua pior sequência sem vitórias no século, com 13 partidas sem triunfo. Abatido, o técnico Roberto Fernandes disse que não se esconde diante dessa situação, apesar de não saber como explicar o motivo do Tricolor não conseguir vencer. Mas disse que não vai desistir de lutar até o fim.

“É até difícil explicar. Eu estou aqui, dando a minha cara, não estou escondido. Então o que eu falar aqui não é desculpa de porcaria nenhuma. Agora, tem momento que não tem muito o que falar, é se resignar e trabalhar. Desistir e se render não é para mim. Se tiver que acontecer o pior, eu espero que a gente lute e que todos que estão nesse processo tenha pelo menos o sangue que corre em minha veia. Porque aí eu tenho certeza que os jogos seriam vendidos muito mais caros”, disse o treinador do Santa Cruz.

Escolha por um volante e depois substituí-lo

Outro ponto que chamou a atenção na partida foi o fato do Santa Cruz ter entrado com apenas um volante de ofício: Vitinho. Enquanto isso, Tarcísio e Rondinelly foram os companheiros de meio-campo, dois meias. Na volta do intervalo, o técnico do Tricolor tirou Vitinho para a entrada de Pipico, deixando o time sem cabeça de área. Situação que gerou críticas, mas que o treinador não viu a situação como a causa dos dois gols sofridos na partida.

“O Santa Cruz não foi o primeiro clube a jogar com um volante e tampouco foi por conta disso que sofremos o primeiro gol. Mais uma vez tivemos erros atrás, erros que são trabalhados e corrigidos durante a semana, mas seja por falta de concentração ou por falha individual, eles acontecem. A gente martelou em busca de empatar a partida e virar, mas só conseguimos o gol aos acréscimos. O segundo tempo sem volante é uma questão simples. O Vitinho tomou cartão amarelo e certamente em algum momento ele teria que parar a jogada e já tivemos jogadores expulsos em outras circunstâncias”, acrescentou Roberto Fernandes.

“Quando fomos para o intervalo a gente já perdia por 1 a 0, então eu iria colocar outro volante? Esse não seria eu, eu não desisto. Nós sofremos o segundo gol em um escanteio onde alertamos sobre o posicionamento. O resultado é uma coisa, desempenho é outra. Não foi por entrar com um volante e não foi por jogar sem volante que nós sofremos a derrota. Foram dois lances pontuais e que nada tem a ver com o volante”, encerrou o comandante do Santa Cruz.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trending