conecte-se conosco

PESérie ASportÚltimas

Declarando ‘amor’ e procurando ‘felicidade’ no Sport, Everton Felipe é apresentado na Ilha

Anderson Stevens/Sport Recife

Publicados

em

Everton Felipe foi reapresentado no Sport. Em uma entrevista de 16 minutos, foram 20 citações sobre o “amor” pelo clube e a “felicidade” de retornar à Ilha do Retiro. Em meio a tanta festa, porém, o meia não se escondeu de falar sobre as passagens sem sucesso que teve nos últimos três anos, mas sempre tratando o Leão como a oportunidade para se reencontrar com o bom futebol. O jogador também se dispôs a cumprir as funções que Louzer precisar.

Em uma fala forte, Everton Felipe assumiu responsabilidade por seu baixo rendimento nos últimos anos, com passagens mal sucedidas por São Paulo, Athletico-PR, Cruzeiro e Atlético-GO. “Eu assumo total responsabilidade do pouco que eu rendi. Não teve desculpa nenhuma, eu não convivi com lesão nenhuma, nada. Eu apenas não rendi e assumo total responsabilidade por isso”.

Everton retornou abrindo mão de grande parte de seus benefícios contratuais com o São Paulo. Questionado sobre como isso se encaixava em seu planejamento de carreira, o meia garantiu que qualquer planejamento precisa passar por um retorno às boas atuações de outrora.

“O melhor planejamento que eu tenho neste momento é que eu preciso voltar a render. Eu preciso voltar a jogar da maneira que eu joguei aqui no Sport, que eu fui feliz, que surgiu vários interessados em me adquirir. Então, o planejamento mais importante nesse momento é que eu volte a render como eu jogava antes”.

Amor ao Sport

Assim, declarando seu amor ao Sport, o meia cravou que seu retorno é, também, por causa disso. No clube que tem essa relação e já está adaptado, Everton Felipe espera se reencontrar e voltar à sua felicidade.

“Volto para o Sport porque é um lugar que eu me sinto bem, feliz, não preciso de adaptar, já sou adaptado. O Sport é minha casa, eu vivi aqui, morei aqui. Minha volta é por amor ao clube, porque aqui eu sei que eu vou ser feliz, aqui eu sei que eu não preciso de tempo para me adaptar a nada, eu sei que vou dar o meu máximo. É muito amor envolvido dentro e fora de campo. Então, eu volto para o Sport para encontrar minha felicidade, meu futebol e ajudar”.

Everton também comentou sobre a situação na qual o Sport se encontra atualmente, com uma vida financeira delicada. Na interpretação dele, seu retorno é, também, uma forma de tentar ajudar o clube.

“Todos nós sabemos da situação que o Sport se encontra, então todo mundo que está aqui, quem está chegando agora, sabe a situação que está o clube e está chegando para ajudar o clube. Comigo não é diferente. A gente sabe as dificuldades que vamos encontrar neste ano, mas, se Deus quiser, no fim do ano vai estar todo mundo feliz com os objetivos conquistados”.

Onde jogar?

Questionado sobre a posição que deve atuar em seu retorno ao Sport, Everton Felipe se mostrou disposto a atuar onde for necessário no setor ofensivo para ajudar o clube. Na sua primeira passagem, Everton chegou a ser acionado nas duas pontas e, também, centralizado na armação. Ele também revelou que já conversou com Umberto Louzer sobre o tema.

“Na passagem que eu tive aqui no Sport, joguei em várias posições na frente, só não joguei de 9, nem tenho estatura para isso. Já estou acostumado a jogar em qualquer posição ali na frente, no lado, no meio, o que eu quero é voltar a render, voltar a ser feliz aqui no Sport, o lugar que eu me sinto bem, que com certeza vai dar tudo certo para as duas partes. Então, eu estou disponível para o professor me colocar na melhor posição para que eu possa ajudar o grupo a atingir os objetivos”.

Outros pontos da apresentação

Recepção da torcida
“A recepção foi algo que me surpreendeu porque, como eu falei algumas vezes, pensei que ia ter 20 ou 30 pessoas, quando meus amigos começaram a me falar que iam me esperar. Ter aquela multidão me esperando é algo de uma felicidade muito grande. Eu queria que todo torcedor do Sport pudesse sentir a emoção de você torcer, ser apaixonado e poder jogar pelo clube. É algo surreal. Vocês não sabem a felicidade que é você poder entrar em campo, vestir a camisa do Sport, defender o Sport em campo como torcedor e atleta profissional. É algo de um amor, uma felicidade muito grande, Eu não tenho como explicar. No Sport, volto para dar a volta por cima, para render, e a gente sabe como torcida funciona. A partir do momento que eu entrar em campo e render aquilo que eles esperam, o futebol que eu tive aqui em 2016, 2017, qualquer desconfiança de dois, três anos sem jogar passa e o que importa é o momento que está vivendo. Então vou dar a volta por cima, mostrar meu futebol e trazer felicidade para todo mundo”.

Hernanes, o profeta
“Falar do Hernanes é meio complicado. Por tudo que ele conquistou na carreira dele, é daqui do Nordeste. É algo surreal, jogou em alguns dos melhores times do mundo, jogador de Seleção Brasileira. Mas o Hernanes é um cara espetacular, vocês vão conhecer, vai ajudar muito o Sport, o grupo, de todas as maneiras possíveis. Dentro e fora de campo é um cara muito inteligente. O apelido de Profeta é porque ele é um cara que está calado e, do nada, ele fala algumas coisas e elas acontecem do jeito que ele está falando. Então, pode ter certeza que durante esse tempo que ele estiver aqui, a gente vai conviver com alguma coisa desse tipo. Ele estar calado, chamar todo mundo, falar uma coisa e acontecer daquele jeito. Então, esse apelido começou por causa disso”.

O que significa o retorno?
“Eu sempre tive na minha cabeça, desde quado eu subi para o profissional, em 2014, que eu só queria sair do Sport para fora (exterior), não para o Brasil, mas nem sempre os nossos planos são os planos de Deus, a gente não controla. Em 2017, eu tive uma lesão, no Sport, que prejudicou bastante uma saída minha que já estava quase acertada e, em 2018, veio a proposta do São Paulo. O clube não vivia um momento bom financeiramente, teve algumas coisas que aconteceram dentro do clube que não precisam ser faladas aqui e, automaticamente, a proposta do São Paulo foi boa, é um grande clube do futebol brasileiro e do Mundo. Eu não tinha como negar, até porque o clube precisava daquele dinheiro. Fui para lá, não consegui render. Tive um bom momento no Paulista de 2019, mas depois de lá não tive mais sequência, não consegui render da maneira que eu queria e todos esperavam. E voltar para o Sport, eu tentei voltar em 2019, em 2020, a gente não conseguiu por motivos que fugiam do nosso controle e não tinha como eu deixar de voltar agora, mesmo sabendo das condições do clube, mas uma coisa que eu aprendi nesse tempo que eu passei longe daqui é que às vezes você quer objetivos maiores, mas precisa seguir onde sua felicidade está, o seu coração, porque, para ser mais prático, dinheiro não vai lhe deixar feliz porque você está ganhando melhor naqueles seis, sete meses. Então, há a questão financeira, também, mas, depois de um tempo, você pode ganhar bem do jeito que for, se você não estiver feliz, acaba se fazendo mal automaticamente, acaba não rendendo porque não está feliz dentro ou fora de campo. Então, volto para o Sport porque, independente de valores, eu amo estar aqui, o Sport é minha casa, eu sou feliz aqui, desde o momento que eu passo na Ilha, agora, que eu sou atleta do Sport de novo, eu sou muito feliz. Entendo todo o momento do clube. O clube entende, também, todo o momento que eu estou passando. Nesse momento que estou aqui, pode ter certeza que o Sport está mais me ajudando que eu ajudando o Sport. Tenho que voltar a jogar, a render e tenho certeza que aqui era o único lugar que eu poderia fazer isso com uma felicidade grande”.

Experiência
“Eu saí do Sport com 20 anos. Você acaba amadurecendo, principalmente por eu ter jogado em vários lugares, conhecido vários lugares e estruturas diferentes. Você acaba amadurecendo dentro e fora de campo por ter jogado com jogadores até de nível europeu. Então você aprende muito. Volto sendo o mesmo cara brincalhão, o Everton Felipe de sempre, mas claro que quando você passa por esses lugares, convive com pessoas diferentes, Hernanes, Daniel Alves, Miranda, você escuta muito, aprende muito, dentro e fora de campo. Então espero poder ajudar os meninos que estão subindo agora da base, por quem eu torço muito, porque eu sou da base do Sport, então sempre torci para que todo mundo tivesse a oportunidade para que, no profissional daqui, desse certo. E o elenco também tem jogadores que recusam apresentações, o André, o Thiago Neves, o próprio Hernanes, o Marcão. Todos têm experiência bastante para me ajudar e ajudar todo mundo que está no grupo. Tenho certeza que todo mundo junto, todo mundo fechadinho como está, como eu encontrei aqui, mesmo com o Sport na situação que está, que todos sabemos, é um grupo muito bom. O pessoal que assumiu agora, se bem que eu sou suspeito para falar do Nelo (Campos), já tenho uma relação com ele desde 2019, mas o que todo mundo comenta é a transparência e a verdade. O jogador não quer ouvir sim a toda hora, pode dizer não, mas diga a verdade, sem enrolação e o que está acontecendo no momento do clube é isso, sendo sincero, falando da situação, do que pode fazer ou não, e todo mundo está ficando mais fechado para no final do ano conseguir o objetivo do Sport que é ficar na Série A, fazer os 45 pontos e aí pensar alto, quem sabe uma Sul-Americana, porque tudo isso é bom para o clube, quanto melhor a posição, mais investimento vem para o clube e o Sport vai conseguir dar a volta por cima”.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trending