conecte-se conosco

Jogos OlímpicosOlimpíadas

Com 26 medalhistas, Nordeste vive Paralimpíada de recordes e ultrapassa marca de 100 pódios na história

Petrúcio Ferreira (PB), Carol Santiago (PE), Raimundo Nonato (PE) e Jefinho da Conceição (BA). Foto: Wander Roberto/CPB; Ale Cabral/CPB

Publicados

em

As últimas madrugadas foram algumas das mais brilhantes da história do esporte nordestino. Nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, 26 nordestinos subiram ao pódio, participando de 23 das 71 conquistas que o Brasil levou no Japão – as duas marcas são recordes para a região. No total, os paratletas nordestinos vão trazer 32 medalhas como lembranças da viagem e, se o Nordeste fosse um país, teria sido o 20º colocado no quadro de medalhas.

São várias marcas que se acumulam e ajudam a ampliar a bela história do Nordeste em Paralimpíadas. Na oitava edição seguida com medalhas para a região, ultrapassamos a marca de 100 pódios na história com participação direta de paratletas nordestinos, além de alcançar as 150 medalhas trazidas para o Nordeste. Para fins de comparação, nos Jogos Olímpicos, que tiveram o dobro de edições, a região só participou de 37 pódios, contra 109 nas Paralimpíadas.

A história também foi feita em recortes estaduais. O Maranhão ganhou seu primeiro ouro paralímpico da história, com Jardiel Vieira, do futebol de 5. Ele foi o segundo medalhista da história do estado, o que se repetiu no Piauí, com a prata de Luís Carlos Cardoso na paracanoagem. A Paraíba também teve uma marca importante, com quatro medalhistas inéditos, eles chegara a um total de 14, disparando como estado com mais medalhistas na região.

Carol Santiago

Se o Nordeste trouxe um brilho a essa Paralimpíada, ele se chama Maria Carolina Santiago. Disputando os Jogos pela primeira vez, apenas dois anos após ingressar ao paradesporto, a nadadora pernambucana de 36 anos ganhou três ouros, uma prata e um bronze. Com isso, ela não apenas foi a melhor brasileira em Tóquio, como volta ao Recife como a sexta principal multimedalhista desta edição da Paralimpíada.

Carol é da classe S12, de atletas com baixa visão e chegou, inclusive, a ser campeã em uma prova do S13, para atletas com visão menos comprometida. A paratleta, agora, se tornou a segunda maior campeã paralímpica do Nordeste em uma mesma edição dos Jogos, sendo superada, apenas, por Clodoaldo Silva, nadador potiguar que levou seis ouros em Atenas-2004.

As conquistas

Além de Carol, o Nordeste também teve outros dois multimedalhistas paralímpicos. O homem com deficiência mais rápido do mundo é um deles. Com um ouro e um bronze, Petrúcio Ferreira não superou seu recorde mundial nos 100m rasos, mas também não foi ultrapassado por nenhum atleta de nenhuma categoria. O paraibano também participou de um pódio duplo do Brasil, com um bronze nos 400m na classe T47, mesmo sentindo dores.

E o atletismo ainda trouxe outra multimedalhista. Potiguar, Thalita Simplício levou pratas nos 200m e nos 400m na classe T11. Com isso, a jovem de 24 anos superou a sua campanha na Rio-2016, quando só ganhou uma prata no revezamento.

Mas, a longo prazo, poucos destaques superam o futebol de 5. Com oito nordestinos entre os 10 convocados para representar o time brasileiro, o país conseguiu o pentacampeonato da categoria, seguindo invicto na história paralímpica, que já vem desde 2004. Agora, o paraibano Damião Robson e o baiano Jeferson da Conceição se tornam tetracampeões, enquanto o baiano Cássio Lopes dos Reis e o pernambucano Raimundo Nonato são tri.

NÚMEROS DA PARTICIPAÇÃO NORDESTINA NA PARALIMPÍADA

  • 23 medalhas com participação nordestina (recorde, superando Rio-2016, com 20), sendo:
    6 ouros (2ª melhor, superado por Atenas-2004, com 10)
    7 pratas (2ª melhor, superado por Rio-2016, com 9)
    10 bronzes (recorde, igualando Atlanta-1996)
  • 18 medalhas individuais (recorde, superando Atenas-2004, com 14), sendo:
    4 ouros (2ª melhor, superado por Atenas-2004, com 8)
    6 pratas (recorde, superando Rio-2016, com 5)
    8 bronzes (2ª melhor, superado por Atlanta-1996, com 10)
  • 5 medalhas coletivas, sendo:
    2 ouros (recorde, igualando Atenas-2004 e Rio-2016)
    1 prata
    2 bronzes
  • 32 medalhas trazidas para o Nordeste (recorde, superando Rio-2016, com 28), sendo:
    15 ouros (2ª melhor, superado por Atenas-2004, com 16)
    7 pratas (3ª melhor, superado por Rio-2016, com 12, e Sydney-2000, com 8)
    10 bronzes (recorde, igualando Atlanta-1996)
  • 26 medalhistas (recorde, superando Rio-2016, com 21), sendo:
    13 campeões paralímpicos (recorde, superando Atenas-2004 e Londres-2012, com 10)

EVOLUÇÃO NORDESTINA NAS PARALIMPÍADAS

Toronto-1976 – 1 medalhista, 1 pódio, 0 medalha individual
Stoke Mandeville-1984 – 1 medalhista, 4 pódios, 4 medalhas individuais
Barcelona-1992 – 3 medalhistas, 3 pódios, 3 medalhas individuais
Atlanta-1996 – 8 medalhistas, 12 pódios, 12 medalhas individuais
Sydney-2000 – 6 medalhistas, 10 pódios, 7 medalhas individuais
Atenas-2004 – 14 medalhistas, 17 pódios, 14 medalhas individuais
Pequim-2008 – 14 medalhistas, 10 pódios, 5 medalhas individuais
Londres-2012 – 16 medalhistas, 9 pódios, 7 medalhas individuais
Rio-2016 – 21 medalhistas, 20 pódios, 12 medalhas individuais
Tóquio-2020 – 26 medalhistas, 23 pódios, 18 medalhas individuais

MEDALHAS

OUROS INDIVIDUAIS
Petrúcio Ferreira (Bejo da Cruz/PB) – Atletismo (100m rasos – classe T47)
Maria Carolina Santiago (Recife/PE) – Natação (50m livre – classe S13)
Maria Carolina Santiago (Recife/PE) – Natação (100m peito – classe S12)
Maria Carolina Santiago (Recife/PE) – Natação (100m livre – classe S12)

OUROS COLETIVOS
Seleção de futebol de 5 (com 8 nordestinos: Cássio Lopes dos Reis-Ituberá/BA, Damião Robson-Campina Grande/PB, Gledson Barros-Salvador/BA, Jardiel Vieira-Pinheiro/MA, Jeferson da Conceição-Candeias/BA, Raimundo Nonato-Cabrobó/PE, Luan Lacerda-João Pessoa/PB e Matheus Bumussa-Campina Grande/PB)
Seleção masculina de goalball (com 3 nordestinos: Emerson Ernesto-Campina Grande/PB, José Roberto de Oliveira-Lagoa Seca/PB e Romário Marques-Natal/RN)

PRATAS INDIVIDUAIS
Thalita Simplício (Natal/RN) – Atletismo (200m rasos – classe T11)
Thalita Simplício (Natal/RN) – Atletismo (400m rasos – classe T11)
Raíssa Machado (Ibipeba/BA) – Atletismo (lançamento de dardo – classe F56)
Marivana Oliveira (Maceió/AL) – Atletismo (arremesso de peso – classe F35)
Luis Carlos Cardoso (Picos/PI) – Canoagem (200m individual – classe KL1)
Cecília Kethlen (Natal/RN) – Natação (50m livre – classe S8)

PRATAS COLETIVAS
Natação – Revezamento 4x100m livre até 49 pontos (com 1 nordestina: Maria Carolina Santiago-Recife/PE)

BRONZES INDIVIDUAIS
Petrúcio Ferreira (Brejo da Cruz/PB) – Atletismo (400m rasos – classe T47)
Cícero Valdiran (Aguiar/PB) – Atletismo (Lançamento de dardo – classe T57)
Jardênia Felix (Natal/RN) – Atletismo (400 rasos – classe T20)
Maciel Santos (Crateús/CE) – Bocha (Individual – classe BC2)
Renê Campos Pereira (Itapetinga/BA) – Remo (skiff individual – classe PR1)
Phelipe Rodrigues (Recife/PE) – Natação (50m livre – classe S10)
Maria Carolina Santiago (Recife/PE) – Natação (100m costas – classe S12)
Silvana Cardoso (São Bento/PB) – Taekwondo (até 58kg)

BRONZES COLETIVOS
Seleção feminina de vôlei sentado (com 1 nordestina: Pâmela Pereira-Balsas/MA)
Natação – Revezamento 4x50m livre até 20 pontos (com 1 nordestina: Joana Neves-Natal/RN)

TOTAL HISTÓRICO

Alagoas – 4 medalhistas – 1 ouro, 5 pratas, 4 bronzes (individuais: 1/2/4)
Bahia – 10 medalhistas – 9 ouros, 2 prata, 5 bronzes (individuais: 0/2/4)
Ceará – 3 medalhistas – 1 ouro, 3 pratas, 6 bronzes (individuais: 1/3/6)
Maranhão – 2 medalhistas – 1 ouro, 0 prata, 2 bronze (individuais: 0/0/0)
Paraíba – 14 medalhistas – 24 ouros, 4 pratas, 4 bronzes (individuais: 2/2/3)
Piauí – 2 medalhistas – 2 ouros, 2 prata, 0 bronze (individuais: 2/2/0)
Pernambuco – 8 medalhistas – 12 ouros, 11 pratas, 7 bronzes (individuais: 9/8/7)
Rio Grande do Norte – 11 medalhistas – 9 ouros, 18 pratas, 18 bronzes (individuais: 5/7/13)
Sergipe – nenhuma medalha

Total do Nordeste
54 medalhistas (eram 44)
Medalhas (por medalhista): 59 ouros, 45 pratas e 46 bronzes – total: 150 (eram 44/38/36 – 118)
Medalhas (por campanha): 28 ouros, 37 pratas e 44 bronzes – total: 109 (eram 22/30/34 – 86)
Medalhas individuais: 20 ouros, 25 pratas e 36 bronzes – total: 81 (eram 16/19/28 – 63)
Medalhas coletivas: 8 ouros, 12 pratas e 8 bronzes – total: 28 (eram 6/11/6 – 23)

Trending