conecte-se conosco

MASampaio CorrêaSérie BÚltimas

Lutando contra Z4, Sampaio espera reação imediata a Brigatti por fim de Série B tranquilo

John Tavares/SCFC

Publicados

em

O jogo contra o CRB, nesta quinta-feira, representa um recomeço para o Sampaio, que terá a reestreia de João Brigatti no comando técnico, depois da demissão de Felipe Surian, no fim de semana. No retorno, Brigatti terá a importante missão de evitar o rebaixamento do time, uma ameaça que se tornou muito mais real após a série de resultados ruins na última rodada. Se o seu retrospecto valer de algo, porém, a tendência é de que o Tubarão siga na Série B.

Hoje, o Sampaio está apenas dois pontos acima da zona de rebaixamento da Segundona, que é aberta pelo Londrina, com 38 pontos. À frente, Brusque (38), Ponte Preta (39) e Cruzeiro (40) ainda aparecem antes dos maranhenses, que têm 40 pontos. No rendimento recente, porém, a Bolívia Querida é batida por todos, tendo o pior rendimento do segundo turno no campeonato.

Segundo as projeções do site Chance de Gol e do departamento de matemática da UFMG, perspectiva é de que os times consigam escapar do rebaixamento com uma pontuação entre 45 (90% de chances) e 47 pontos (99% de chances). Para isso, então, o Tricolor ainda precisa acumular mais cinco a sete pontos nos seis jogos que lhe restam na Série B, o que representa um aproveitamento entre 27% e 39% dos pontos a serem disputados.

Dos nove trabalhos de treinador já assumidos por João Brigatti em sua jovem carreira, apenas dois tiveram um início que deixaria o time sob risco: seus primeiros jogos pelo Paysandu em 2018, com 29% de aproveitamento; e sua largada no Oeste, em um curto trabalho que só durou quatro jogos, já nesta temporada, com apenas 25% dos pontos ganhos.

No restante da Série B, o Sampaio ainda terá, depois do jogo contra o CRB, às 21h30 desta quinta-feira, confrontos com Brasil-RS, Vila Nova, Náutico, Cruzeiro e Avaí.

Hoje, o cenário de tabela já indica gaúchos (rebaixados com antecedência), goianos e pernambucanos sem grandes objetivos latentes no resto da competição, cenário que também pode valer para os mineiros até a data do confronto. Com isso, alguns desses jogos podem ter um nível de dificuldade um pouco reduzido.

Início de trabalho de Brigatti

2017 – Ponte Preta (interino – 4J) – 1V 2E 1D – 42%
2018 – Ponte Preta (interino – 4J) – 2V 2E 0D – 67%
2018 – Ponte Preta – 4V 2E 1D – 67%
2018 – Paysandu – 1V 3E 3D – 29%
2019 – Sampaio Corrêa – 5V 1E 1D – 76%
2020 – Ponte Preta – 4V 0E 3D – 57%
2020 – Paysandu – 5V 2E 0D – 81%
2021 – Santa Cruz – 2V 3E 3D – 43%
2021 – Oeste (4J) – 1V 0E 3D – 25%

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trending