conecte-se conosco

CECearáSérie AÚltimas

Ceará abusa de erros, perde para o Athletico e deixa o G8 da Série A

Foto: Athletico Paranense/Divulgação
Avatar

Publicados

em

Mesmo tendo criado mais chances, o Ceará pecou – e muito – na hora de definir e foi castigado pelo Athletico, que construiu apenas duas chances reais em todos os 90 minutos, mas que foram suficientes para bater o Vozão por 2 a 0, com dois de Carlos Eduardo, na Arena Castelão, pela 33ª rodada da Série A, neste domingo.

E agora?

Os erros, que não condiziam com o peso do duelo, custaram caro ao Alvinegro cearense. Isso porque, com o revés, o time comandado pelo técnico Guto Ferreira, antes em oitavo lugar, saiu da zona de classificação para a Pré-Libertadores, agora ocupada pelo próprio rival paranaense. O Furacão tem os mesmos 45 pontos do Vovô, em nono, mas ganha no número de vitórias (13 a 12). Na próxima rodada, o Ceará visita o Corinthians, na Neo Química Arena, na quarta-feira.

Estatísticas

Posse de bola: Ceará 43% x 57% Athletico
Finalizações: Ceará 9 x 10 Athletico
Finalizações no gol: Ceará 2 x 1 Athletico
Grandes chances: Ceará 0 x 1 Athletico
Passes: Ceará 330 x 409 Athletico
Passes certos: Ceará 265 x 348 Athletico

Muita transpiração, pouca efetividade

Um primeiro tempo de domínio do Ceará, mas de poucas oportunidades aproveitadas. Apostando no jogo reativo – com menor posse, mas de grande intensidade nos contra-ataques – o Vozão chegou com perigo logo aos quatro. Lima, destaque nestes primeiros 45 minutos, fez boa jogada pela linha de fundo e cruzou para Cleber, pronto para cabecear na pequena área, mas a zaga do Athletico tirou. 

Depois, em nova jogada puxada por Lima, o atacante serviu Léo Chú, que cruzou voltando e a bola sobrou para Vina. O meia finalizou de primeira e obrigou Santos se esticar todo e buscar a finalização no canto esquerdo. Porém, a partir daí – e sob um sol escaldante no Castelão – os times perderam intensidade no último terço e criaram apenas três duas chances, sendo duas para o Vozão e uma Para o Furacão. Nenhuma suficiente para abrir o placar em Fortaleza. 

Calor alvinegro nos primeiros minutos…

No retorno à segunda etapa, o Ceará se lançou mais ao ataque e, em menos de seis minutos, criou duas chances. Na primeira, em menos de um minuto de jogo, Cléber arrancou pelo meio, tocou para Vina, que chutou em cima de Santos. Depois, foi a vez de Cléber esbarrar na defesa paranaense, finalizando em cima de Pedro Henrique.

Mas repetição dos mesmos erros.

E os erros no último passe seguiram em repetição – e em uma das melhores chances do jogo. Em ótimo contra-ataque após falha na defesa do Athletico, o Ceará recuperou a bola no meio de campo e partiu em velocidade com Cléber. Neste momento, o Vozão tinha três jogadores contra um do Furacão, mas o centroavante tentou tocar para Vina, fraco, e a zaga adversária recuperou.

Castigo no fim

Sem matar o jogo quando estava visivelmente melhor, o castigo veio. Depois de criar a primeira grande chance durante todo o jogo, de pé em pé, o Athletico abriu o placar no fim da partida. Carlos Eduardo recuperou a bola, driblou Luiz Otávio e venceu Richard. E, em novo erro da zaga alvinegra, desta vez aos 47, o atacante guardou o segundo. De letra, Carlos Eduardo driblou Tiago Pagnussat e chutou no cantou esquerdo de Richard.

Trending