conecte-se conosco

NáuticoPEÚltimas

Ex-diretora do Náutico solicitou ao presidente do Conselho o afastamento do funcionário em setembro

Foto: Náutico/Divulgação

Publicados

em

Em áudios obtidos pelo NE45 e compartilhado também nas redes sociais, de uma conversa realizada no dia 21 de setembro de 2021, a ex-diretora do Náutico Tatiana Roma solicitou ao presidente do Conselho Deliberativo, Alexandre Carneiro, o afastamento do superintendente financeiro do clube, Errisson Rosendo de Melo, irmão do presidente Edno Melo. A solicitação foi pela denúncia de importunação sexual feita pelo funcionário contra ela.

No primeiro áudio, Tatiana Roma deixa claro que a denúncia não tem cunho político e que esperava o afastamento de Errisson Rosendo de Melo antes do final da gestão de Edno Melo, em dezembro de 2021.

Confira abaixo a transcrição e ouça o primeiro áudio:

Tatiana Roma

…Pode ser uma possibilidade. Então, Alexandre, não existe nada político. Se fosse político, eu não precisava ter dado entrada no Conselho, ter feito nada disso. O que fiz e pedi sigilo para que isso fosse resolvido internamente. O que eu quero é a punição dele. Por que eu disse a você que não aceitava após a eleição? Porque não há tempo ágil regimental para punição dele após eleição até acabar o mandato. É questão de prazo. A eleição é na primeira semana de dezembro. Como vamos ter prazo regimental para que ele seja julgado?

Alexandre Carneiro

Mas nosso mandato tem mais dois anos.

Tatiana Roma

Mas o mandato dele não.

Alexandre Carneiro

Errisson não tem mandato.

Tati Roma

Mas o mandato de Edno não…Ele é investigado enquanto estiver no clube. A partir do momento em que ele sai, o Conselho não tem mais poder de investigar ele. Isso vai ter que andar. Inclusive para dizer que não tem mais poder de investigar. O processo tem que andar.

Alexandre Carneiro

Não. Mesmo que ele não seja (inaudível) ele vai ser notificado.

Tatiana roma

Ele pode ser notificado, mas não pode ser punido. Porque a punição máxima que o Conselho pode dar é a demissão. Se não tiver mais no clube, não pode ser punido. Vai ser notificado para quê? Julgado com que finalidade? Se não pode ser demitido.

Alexandre Carneiro

Mas se ele não estiver aqui, não continuar no clube ano que vem, vai ser uma coisa ruim para ele. Não é o que ele deseja. Não vou dizer que foi por causa disso. Mas sendo por causa disso ou não, vai ser pra ele horrível. Claramente não é isso que eles querem.

Tatiana Roma

Entendo. Mas não sei se Diógenes quer ele ou não. Não cabe a mim dizer se Diógenes quer ou não. Não sei o que acho e quero apenas a punição dele. O que não entendo, Alexandre, e estou sendo bem sincera, de tudo que chegou para mim essa semana, que foram várias coisas, é de uma proteção em torno de Errisson que não entra na minha cabeça.

Já no segundo áudio, a ex-diretora questiona sobre a proteção dada ao irmão do presidente. Ela reiterou o desejo de deixar o assunto de forma interna no clube sem precisar ir para a Justiça. No dia 12 de novembro, Tatiana Roma registrou um Boletim de Ocorrência por injúria, difamação, calúnia e importunação sexual.

Confira abaixo a transcrição do segundo áudio:

Tatiana Roma

Calma aí, isso é uma postura, Alexandre? Será que é esse o caminho? Então, assim, isso que está ali é um conjunto da obra. Ele não falou uma vez.

Alexandre Carneiro

Se fosse uma funcionária carteira registrada, uma diretoria remunerada, certamente não faria isso.

Tatiana Roma

– Sabe qual é a questão? E aí eu estou falando pessoalmente, a conversa é entre eu e você, não estou falando de processo não. Ele se acha mais do que o presidente do clube. Então, assim, é difícil você lidar com isso. A reclamação não é só minha em relação ao tratamento dele. Você sabe disso porque você não é idiota. Então, assim, será que é esse o caminho? Será que o caminho é a gente passar a mão e dizer ‘tá bom, bora que ele continue assim’. Para mim não é, Alexandre. E eu sei o que pode acontecer comigo. Eu sei disso. Mas, volto a dizer, não sou porta-estandarte de absolutamente nada. Não quero que isso se torne público e queria que isso fosse resolvido de forma muito mais simples. Eu acho que, quando digo que está se tornando maior, é porque está um embate maior. Se isso fosse feito o afastamento dele e aí sim poderia ser pós-eleição tranquilamente. E a gente faz o julgamento da forma correta. Aí o Conselho não se omitiu, o clube não se omitiu. Edno sai como puta herói dessa história. Ele cortando a carne dele para que fosse dado o julgamento. Tem coisa melhor do que isso para todo mundo? Eu não consigo entender isso. Essa resistência a fazer qualquer coisa. Por que, Alexandre, pensa racionalmente comigo. Se Edno concorda com isso, ninguém pode dizer que ele foi conivente ou não. Porque ele cortou na própria carne. Se o Conselho faz isso e sugere isso, ninguém pode dizer que o Conselho esperou tantos meses para eleição ou não. Porque pode ter algum conselheiro da oposição que diga ‘Ele esperou até a eleição passar’. Ninguém pode dizer isso porque, sim, o Conselho tomou providências antes da eleição. Diógenes não é afetado de modo nenhum. Porque isso não vai sair para canto nenhum. A eleição dele continua igual. E por que ninguém faz isso?

Na terceira parte da conversa, Tatiana Roma deixou claro que o seu pedido ela pela punição do funcionário. O presidente do Conselho Deliberativo, Alexandre Carneiro, chegou a afirmar que poderiam levar para o lado político o assunto já que o clube passará por eleição em dezembro. O dirigente ponderou o processo que poderia ser realizado de forma interna.

Confira abaixo a transcrição do terceiro áudio:

Tatiana Roma

…Menor questão se ele seja punido ou não fora do clube. Eu quero a punição onde ocorreu e o que ele fez comigo aqui dentro. Não é justo eu ter passado pelo o que passei por conta dele aqui dentro e ele não ser punido aqui dentro. E ele está continuando aí maravilhosamente bem. Entendesse, Alexandre?

Alexandre Carneiro

Entendi. Mas quando as pessoas me perguntarem, vou fazer o papel de advogado do diabo. Quando as pessoas lhe perguntarem, não. Para você não vão ter coragem de perguntar não. Isso é uma matéria que hoje em dia qualquer coisa que se fale o pessoal já joga para outro lado. Mas vão perguntar assim: Mas por que só no clube? Se todo mundo num caso desses vai para a Justiça.

Tatiana Roma

Porque para mim a punição do clube é suficiente. Eu acho que as pessoas tem que entender até onde, o que você quer fazer ou não. Eu digo isso desde o começo. Eu respeito muito se alguém passou pelo o que eu passei e não quis denunciar. Porque não é fácil não. Vale salientar, eu entrei contra a minha família. Minha família foi radicalmente contra eu ter entrado. Porque eles achavam que a minha exposição não valia a pena. Então, o primeiro sofrimento que tive foi dentro de casa. Ninguém queria. E eu entrei mesmo a minha família não querendo. E por que no clube e não fora? Porque não quero passar por isso de novo. A exposição de ir para a Justiça, ser questionado, de novo tudo isso. É muita exposição, Alexandre. Aí você diz: “Mas você estará sob sigilo”. É, mas vou ter chamar todo mundo pra depor. A conversa vai sair do mesmo jeito, Alexandre. Quem sabe hoje são, sei lá, cinco pessoas dentro do clube. Errisson, Edno, Diógenes, eu e você. Vamos botar assim. Essas pessoas sabem. Se eu for para a Justiça e tiver que chamar “A” para depor, ele vai começar a saber…ele sabia do que acontecia à época.

Alexandre Carneiro

Mas aqui você vai ter que chamar também.

Tatiana Roma

Tudo bem, mas vou ter que chamar também. Certo? Então, a história de que ninguém vai saber. “A” vai a contar mulher dentro de casa, “B” vai contar num jogo aqui do Náutico “Tu não sabe? O irmão do presidente fez isso, isso e eu fui chamado lá. A corrida do que se conta em sigilo ou não fora do clube vai ocorrer do mesmo jeito. E o caminho natural é primeiro você dar entrada no clube, que se tivesse um compliance no executivo era para ser dado entrada lá. É porque não existe isso lá e o regimento, o estatuto diz do julgamento ser aqui. Mas eu estou seguindo o rito natural da coisa. O rito natural é esse. Seria muito estranho eu entrar direto na Justiça e não passar pelo setor do clube responsável por isso. Estou seguindo o rito do processo. O rito do processo é esse. Se eu vou dar entrada na Justiça depois ou não, acho que não compete a ninguém dizer o que tenho de fazer ou não.

Alexandre Carneiro

– Eu entendi. Mas, veja bem, só debatendo com você aqui a questão processual. A punição contra um ato cometido dessa espécie claro que pode ser dado aqui. Agora, o mais normal é que quando a ofensa é pessoal, a questão é pessoal, que o ofendido pessoalmente. Um caso desses a instituição sempre é lesada. Se há um funcionário reiteradamente agressor, é evidente que (inaudível) a instituição. De primeiro plano, assim, num caso desses é diferente do diretor que desvia, do diretor que, enfim, comete uma coisa diretamente contra a instituição. Não que isso não seja, repito, também é contra a instituição. Mas, está entendendo o que quero dizer?

Tatiana Roma

– Vou fazer a você a pergunta que fiz ao meu irmão. Quando a gente estava debatendo tudo isso, eu perguntei: se um funcionário seu assedia qualquer outro funcionário seu dentro dessa empresa, o que você faz? Aí ele: “Vou ter que afastar. Para pelo menos enquanto o processo rola. Não posso deixar agressor e vítima no mesmo ambiente. Enquanto o processo não rola. Isso é minha posição como gestor. Não quer dizer que estou julgando ou não. O julgamento, eu até entendo, como você disse aqui é diferente porque há um órgão julgador. A empresa não tem. Mas ela pode até dar entrada fora, julgar e etc. Mas, enquanto isso não acontece, quando chega até mim, o que tenho de fazer é o afastamento dele. Escutar os dois e dizer que você vai ser afastado temporariamente enquanto esse processo não rola”. É a mesma coisa que estou falando. Não estou dizendo que tem de ir por um caminho A, B ou se tem que ser denúncia ou não. O que estou pedindo é que o Conselho do clube, seguindo o estatuto do clube, tome as devidas providências. É isso que estou pedindo. Então, o que eu acho, é que para mim vale muito mais para mim Tatiana, pessoa física, a demissão dele, a punição interna inclusive do que a externa. Porque para mim isso vale de que no clube não pode fazer o que quiser. Tem uma coisa, Alexandre, que me incomoda muito no futebol desde sempre. Eu amo futebol e você sabe disso. Que no futebol muita coisa é permitida. Então quando você chega num estádio de futebol, tudo é permitido. Parece que é o seu momento de extravasar. E às vezes eu tenho a impressão de alguns que se estende ao ambiente todo do futebol. É isso que me passa essa história. Se fosse em uma multinacional, em uma empresa que gera o que o Náutico gera, isso não seria permitido porque teria compliance, conselho de ética interno. Teria um monte de coisa. Que na primeira denúncia que eu fizesse, iriam avaliar. Mas me parece que no meio do futebol tudo pode.

Ao final dos áudios, a ex-diretora voltou a pedir a punição de Errisson Rosendo de Melo. Embora Alexandre Carneiro tenha questionado o motivo de não esperar para dezembro para levar o caso ao Conselho de Ética do Conselho Deliberativo. O caso do presidente afastado da CBF, Rogério Caboclo, foi levantado na conversa por Tatiana Roma e o presidente do Conselho Deliberativo chegou a falar que a situação foi ‘programada’.

Confira abaixo a transcrição do quarto áudio:

Tatiana Roma

Outra coisa. A minha questão é muito simples. Eu quero que ele seja punido pelo o que ele fez.

Alexandre Carneiro

Certo. Já entendi que você está disposta a tudo. Está ok. Aí aquele primeiro ponto que falei. Para a gente não ter o risco de se misturar sua questão com a questão política. E isso o pessoal deslegitimar a sua denúncia ou desmerecer a sua denúncia para levar para o campo político. Qual o problema que tem da gente ‘desconcluir’ isso depois de dezembro?

Tatiana Roma

Tá. Aí eu lhe faço uma pergunta: qual o problema de demitir Errisson agora?

Alexandre Carneiro

– Veja, o processo vai seguir. Não sei se a Comissão de Ética vai terminar isso em novembro. É o tempo da Comissão de Ética.

Tatiana Roma

– Qual a questão de demitir Errisson agora? Eu não consigo entender. É isso que estou dizendo. Está se fazendo uma grande coisa com algo que é muito menor. Está se protegendo e se gerando uma coisa política que não é. Eu não estou dizendo que você está protegendo. Estou dizendo que há uma proteção, quase uma blindagem dizendo que isso é político. Isso para mim é desviar o foco.

Alexandre Carneiro

– Mas, veja, é o que vai se cair na boca do povo para deslegitimar a sua queixa.

Tatiana Roma

Tudo bem, mas veja, Alexandre. Não sei se você viu, mas domingo a pessoa que foi assediada por Rogério Caboclo (presidente afastado da CBF), deu a primeira entrevista dela. E eu li a entrevista mesmo. Isso caiu na CBF e ela disse: “Velho, isso para mim é desvirtuar. Eu vou deixar de fazer aquilo que eu tinha que fazer porque ia ter eleição daqui a um ano? Por que ele tava bem ou o grupo político queria ou não? “.

Alexandre Carneiro

– Tati, não misture as bolas. Ali é totalmente diferente. Ali foi tudo programado.

Tatiana Roma

Pode ser. Eu não sei, eu não a conheço. Apenas li a entrevista dela. O que acho é o seguinte: é que está uma coisa que poderia ser resolvida muito mais fácil e está tomando uma dimensão muito maior. Estou preparada para essa dimensão maior. Só não acho que é necessário. Mas, assim, por mim é tranquilo. Só acho que eu quero que ele seja punido.


No início da tarde da quarta-feira, após a disponibilização das gravações, Alexandre Carneiro publicou, através da Mesa Diretora do Conselho Deliberativo do Náutico, uma nota sobre as falas.

Confira abaixo a nota de Alexandre Carneiro:

Apesar de partes desconexas e gravação ambiental sem permissão do Conselho Deliberativo nem da Mesa Diretora, não deixou de ser oportunidade para esclarecer ainda mais os fatos:
1 – Todos viram o conteúdo amistoso e informal da conversa;
2 – A data é anterior à transação extrajudicial assinada;
3 – Ela mistura a denúncia com Edno, sendo que Edno não é denunciado por ela;
4 – Falo: “ele vai ser notificado”, validando a importância e seguimento do assunto;
5 – Falo: ” Vão me perguntar: mas por que só no clube? Se todo mundo num caso desses vai para a Justiça.”. Neste ponto procuro orientar a denunciante, quanto ao rito dentro e fora do Clube;
6 – Ela Fala: “A exposição de ir para a Justiça, ser questionado, de novo tudo isso. É muita exposição, Alexandre. Aí você diz: “Mas você estará sob sigilo”. É, mas vou ter chamar todo mundo pra depor. A conversa vai sair do mesmo jeito, Alexandre. Quem sabe hoje são, sei lá, cinco pessoas dentro do clube. Errisson, Edno, Diógenes, eu e você. Vamos botar assim. Essas pessoas sabem. Se eu for para a Justiça e tiver que chamar “A” para depor, ele vai começar a saber…ele sabia do que acontecia à época”.
Falo: “Mas aqui você vai ter que chamar também.” Novamente esclarecendo a denunciante quanto ao rito, em razão de não possuir poderes estatutários de afastar o denunciado, isoladamente, muito menos sem ouvida de partes e testemunhas.
7 – Falo: “A punição contra um ato cometido dessa espécie claro que pode ser dada aqui. Agora, o mais normal é que quando a ofensa é pessoal, a questão é pessoal, que o ofendido pessoalmente (procure a instância Criminal paralelamente)”. Mais uma vez esclarecendo a denunciante quanto à importância de uma tramitação paralela também na delegacia ou justiça.
8 – Falo: “O processo vai seguir. Não sei se a Comissão de Ética vai terminar isso em novembro. É o tempo da Comissão de Ética”. Validando a denúncia e ratificando seu seguimento imediato. Não foi feita imposição de que fosse tratado apenas em 2022.
9 – “Ali foi tudo programado.” Em resposta à comparação dos casos, quer afirmar nesse ponto apenas que no outro caso por ela narrado havia uma prova pré constituída, ou seja, a denunciante municiou-se de provas e testemunhas previamente.

A bandeira da atual Mesa Diretora foi e é a pacificação do Clube, o respeito às diferenças e a ampla participação feminina.
Ratificamos, ainda, que a Mesa Diretora prossegue com as análises dos fatos novos apresentados desde a reabertura de todas as denúncias e designará muito em breve sessão para decisões sobre a matéria, sendo certo que de acordo com a Nota publicada, ele não trabalha mais no Clube.
Atenciosamente,
Mesa Diretora do Conselho Deliberativo do Clube Náutico Capibaribe

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trending