conecte-se conosco
Demissões, elenco, Wagner Lopes e Dinei: Com queda no orçamento do Vitória, presidente explica planejamento do clube para 2022 Demissões, elenco, Wagner Lopes e Dinei: Com queda no orçamento do Vitória, presidente explica planejamento do clube para 2022

BASérie CÚltimasVitória

Demissões, elenco, treinador: com queda no orçamento, presidente explica planejamento do Vitória

Divulgação/Agecom

Publicados

em

Depois do rebaixamento à Série C, o Vitória já trabalha visando a próxima temporada. Com um orçamento reduzido, o clube precisará passar por uma reestruturação, abrindo mão de muitas coisas para seguir com estabilidade financeira. Nisso, o futuro do clube passa por demissões, reconstrução de elenco e de comissão técnica, além de readequação de gastos e captação de novas receitas. Todos esses passos foram explicados pelo treinador Fábio Mota, em entrevista coletiva concedida nesta sexta.

O cenário financeiro do Vitória

Segundo o mandatário, a expectativa é de que o Vitória perca mais de 30% das suas receitas orçamentárias para a próxima temporada. “Tivemos um orçamento de R$ 40 milhões. Com a suplementação aprovada ontem, no próximo ano, estimamos um orçamento de R$ 27 milhões”. E, a partir dessa queda, o time também vai ter que readequar os seus gastos, realizando cortes e demissões.

“A estrutura do clube é muito cara, custa cerca de R$ 3,5 milhões (ao mês). A partir do próximo ano, não temos frente para montar a estrutura desse jeito. Fizemos uma série de ações, inclusive demissão, o que nos deixa muito tristes, de pessoas que estão aqui há muito tempo, prestando serviço ao clube. Agradecemos, mas as circunstâncias fazem com que a gente faça um corte em nossa folha, de um clube como o todo, de 50%”.

O auxiliar Flávio Tanajura, por exemplo, é um desses nomes que já deixou o clube. O técnico do sub-20 Lucas Grillo, o preparador físico Ednilson Sena e o fisiologista Alexandre Dortas também foram desligados do Vitória.

Quanto à ausência de verba de TV, Fábio Mota minimizou o déficit, afirmando que, em uma nova negociação individual, sem adiantamentos, o clube pode até receber mais. “Veja bem, o Vitória não tem cota de TV. Na Série B, tínhamos R$ 9 milhões, recebidos mensalmente. Infelizmente, quando assumimos, não vimos a cor, já tinham antecipado tudo (…) Não teremos uma cota fixa como na Série B, mas teremos uma cota de TV fruto de uma negociação do peso do Vitória com a TV que vai transmitir ou com a plataforma que vai transmitir os jogos”.

Torcida

Segundo Fábio, dentro desse cenário de escassez financeira, a torcida e os sócios tomarão um papel ainda mais importante no futuro do clube. “Contamos com o apoio da torcida. A torcida, no fim da Série B, abraçou o Vitória, mostrou que, quando é bem tratada, valorizada, é nosso maior patrimônio”.

Assim, ele estipula uma meta. “Precisamos, e fica aqui o desafio de ter 15 mil sócios no clube. Hoje os sócios que temos nos dão uma receita pequena. Para a gente ter uma folha de R$ 600 mil, a gente precisa ter 15 mil sócios. Evidente que tem outras ações com patrocinadores para nos ajudar. Mas, nesse momento, é o ativo que o Vitória tem, que é sua própria torcida”.

O mandatário ainda abre o clube para todo tipo de ajuda, indo além do simples pagamento da sociedade. “Na situação que o Vitória está passando, precisa ser ajudado por todo mundo. O clube está aberto para qualquer sócio, qualquer conselheiro que venha nos ajudar. Seja ele quem for. Independente de pagar o plano Bronze, por R$ 30, ou de não pagar, por ser um ex-presidente do clube. Estamos testando tudo neste momento”.

Ex-treinador do clube, Ricardo Silva está ajudando o Vitória na formação do elenco – Divulgação/EC Vitória

Ajuda de ex-treinadores na montagem do elenco

Segundo o presidente interino, o Vitória já tem acordos encaminhados com os primeiros nomes que irão compor o elenco na próxima temporada. O departamento de análise do clube vem realizando monitoramentos há dois meses e o objetivo já é ter um time completo no início do Campeonato Baiano.

“Esperamos, até o dia 17, anunciar as primeiras contratações. Algumas estão encaminhadas. Para que a gente possa começar o Campeonato Baiano da forma competitiva. Todos sabem que nossa próxima competição é o Baiano”, afirmou, antes de revelar que o clube vem trabalhando com dois ex-treinadores na montagem do elenco.

“As ações que estão sendo feitas, além dos analistas e do diretor que está no clube, estamos tendo a contribuição de dois grandes amigos, que foram treinadores experientes pelo Esporte Clube Vitória, que estão nos ajudando, independentemente de qualquer interesse de voltar a ser treinador ou não. Conversamos diariamente com essas duas pessoas, muito experientes, que passaram por aqui, têm amor ao clube, estão nos ajudando também”.

Um desses nomes seria o de Ricardo Silva, que treinou o clube em 2010, sendo, inclusive, responsável pela equipe que foi à final da Copa do Brasil naquele ano. Ele também tem passagens no clube como interino e pode acabar retornando ao clube, em outra função. O outro nome é o de Ricardo Amadeu, que segue na comissão leonina desde sua saída. O próprio Wagner Lopes, inclusive, vem participando dessas conversas.

Wagner Lopes, técnico do Vitória
Permanência de Wagner Lopes está em aberto – Pietro Carpi/EC Vitória

Treinador

Ainda existe, porém, a dúvida sobre quem será a pessoa à frente do time. No clube desde meados de agosto, Wagner Lopes já revelou seu desejo de permanecer à frente do Leão, isso, porém, não significa que ele vá ficar no Barradão. A indefinição política do clube é um dos fatores que deixa isso em aberto. O maior peso, porém, está na nova realidade financeira, à qual o treinador precisará se adequar, se quiser ficar em Salvador.

“Temos que fazer uma redução de custo de 50%. Você tinha jogadores que ganhavam 70%, 80%. Não temos condição, estamos em outra realidade. Para montar um time competitivo, estamos tendo que cortar 50% das nossas despesas, do futebol até o funcionário. O Wagner fez um excelente trabalho. Entendemos assim. É um amigo e está nos ajudando nas ações e nas conversas. Eu não posso dizer que o Wagner não será treinador do clube. Eu posso dizer que a gente vai ter que se adequar para ter um treinador dentro da nossa realidade”.

Mas, para o caso de Wagner Lopes sair, Fábio Lima já garantiu que o clube pode pensar no nomes daqueles velhos conhecidos. “A gente tem excelentes profissionais que já são do clube, Ricardo Amadeu é funcionário do clube, Ricardo Silva… Já transitaram por aqui e estão nos ajudando dentro dessa linha. O que eu posso dizer para você é que, por exemplo, Ricardo Amadeu está nos planos do clube? Está. Ele hoje é o diretor da base. Ricardo Silva? Está dentro dos planos do clube. A aliança que a gente fez para levantar”.

Ainda assim, o foco do Vitória segue nas conversas com o atual treinador, procurando meios de viabilizar um acordo. A garantia de novas fontes de financiamento é ponto fundamental para isso. “A gente continua conversando com ele, mas dentro de uma nova realidade. Nós estamos bem adiantados com uns patrocinadores. Não é um só, não. Alguns. Na hora que a gente fechar com os patrocinadores, isto será determinante para trazer a comissão técnica”.

Se recuperando de lesão, Dinei está nos planos do Vitória – Pietro Carpi/EC Vitória

Saídas e o perfil do elenco

Sobre a montagem do elenco, o Vitória ainda vê muita coisa em aberto. Segundo o dirigente, houve uma proposta de R$ 2 milhões por 50% dos direitos do atacante Samuel, mas o clube não se agradou dos valores. Outros jogadores também vem recebendo sondagens. Na visão de Fábio, as vendas serão parte crucial na sustentação financeira do clube para o ano que vem, mas que isso não significa vender de qualquer jeito.

“Precisamos captar, precisamos de recursos. Estamos trabalhando nisso. Tem várias sondagens por diversos jogadores do clube. Temos que lembrar que precisamos valorizar nossa base. Não é pelo fato de o Vitória estar passando por um momento difícil financeiro que pode sair vendendo por qualquer preço. Tem consequência disso. Oficialmente não tem nenhuma proposta por jogador. Várias sondagens, mas proposta não tem nenhuma”.

Sobre a chegada de jogadores, a ideia é ter um elenco jovem, mas com peças experientes na Série C, tendo presença de jogadores da base. “Nós estamos no mercado, tentando contratar em cima dessas ações e da análise de desempenho. Temos um elenco muito jovem, que é do clube, prata da casa. O perfil de contratação do Vitória é de jogadores experientes, que já têm experiência na Série C, que tenham relação, jogado, adaptado à Série C, para que a gente possa mesclar esses jogadores experientes com a nossa juventude, para, assim, sairmos rápido”.

Um desses experientes, inclusive, pode ser Dinei, que se recupera de um cirurgia sofrida na Série B. “Nós conversamos com Dinei, e ele nos interessa. Nós sabemos que Dinei passou por uma cirurgia, tudo vai depender da recuperação dele. Nós estamos conversando com ele. Ele tem contrato até dezembro, nós já fizemos o contato com ele para dizer que nos interessa. Se tudo ocorrer bem, nós vamos renovar com Dinei, também. Assim como João Pedro, mais um do elenco passado que ficará para o futuro”.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trending