conecte-se conosco

BANáuticoPESérie BVitória

Náutico e Vitória fazem jogo pouco inspirado ficam no 0 a 0 nos Aflitos

Timbu amplifica má fase, somando seis jogos sem vitória na Série B; Leão acumula terceiro jogo sem derrota

Publicados

em

Um resultado que não ajudou ninguém. Brigando contra o rebaixamento, Náutico e Vitória fizeram primeiros tempos distintos e empataram em 0 a 0 nos Aflitos, na noite desta quarta-feira, pela 23ª rodada da Série B. Em comum entre as equipes, porém, foram os erros em demasia dentro de campo, o que empobreceu a partida – tão decisiva para ambos. 

O resultado, contudo, amplifica a má fase do Timbu na competição – com 21 pontos, soma cinco de distância para o próprio time baiano, o primeiro fora do Z4 da Série B e está seis jogos consecutivos sem vitória – e nos Aflitos, onde não vence há mais de dois meses. 

Por outro lado, o Vitória, à parte do resultado – no fim das contas positivo pelo que o time apresentou no segundo tempo – acumula a terceira partida sem derrota e sem tomar gols. As equipes voltam a campo já neste sábado pela Série B, diante do Juventude, no Alfredo Jaconi, e CRB, no Barradão.

Estatísticas

Posse de bola: Náutico 53%  x 47%  Vitória 

Finalizações: Náutico  20 x 14   Vitória 

Passes: Náutico    389x 341    Vitória 

Passes certos: Náutico  301  x 253   Vitória 

Desarmes: Náutico   12 x 13   Vitória 

De dar sono

Náutico e Vitória fizeram um primeiro tempo muito pobre nos Aflitos. De um lado, o Timbu sequer conseguiu transitar bem as jogadas do meio para o ataque, tampouco obteve profundidade – apresentou extrema deficiência nesse quesito, em especial. Do outro, o Leão,  que chegou a ter domínio na posse de bola, mas não criou chances, apenas cercando a meta de Anderson. 

Voltou melhor

Apagado no primeiro tempo, Náutico voltou dos vestiários melhor, mas parou em Ronaldo – sempre irregular no inconstante Vitória. O goleiro, inclusive, foi o nome da partida. Salvou o time baiano em duas oportunidades de extrema dificuldade impostas pelo Timbu. A primeira, com Hereda, aos 21, finalizando muito bem de fora da área e Erick, aos 29.

Azar

Já chegando com mais frequência ao gol de Ronaldo, o Náutico esteve a uma trave da vitória. Pressionando o time, aos 46, Dadá recebeu passe de Wilian Simões e ficou livre para marcar na entrada da pequena área. Finalizou colocado, à esquerda do gol do Vitória e a bola bateu na trave. No rebote, o meia-atacante chutou para fora. A melhor chance do jogo perdida – com uma pitada de azar.

Deixando a desejar

Acompanhando a queda do time nesta Série B, um nome que antes destoava mesmo em partidas de baixa atuação, Jean Carlos fez mais um jogo para esquecer no Náutico. O primeiro tempo, em especial, quando a equipe alvirrubra, burocrática na transição, não conseguia desenvolver jogadas, o meia esteve praticamente apagado, sem nenhuma participação efetiva na criação – em grande fase, foi sua principal característica.

Trending

Copyright © 2020 NE45. Todos os direitos reservados