conecte-se conosco
Lance do jogo entre Bahia e Náutico, na Série B Lance do jogo entre Bahia e Náutico, na Série B

BABahiaNáuticoPESérie BÚltimas

Defesa do Náutico colapsa, Bahia goleia e volta a triunfar em casa após cinco jogos

Felipe Oliveira/EC Bahia

Publicados

em

Timbu apresentou falhas na marcação desde o 1º tempo

Um confronto nordestino abriu a noite de Série B. Na Arena Fonte Nova, o Bahia teve dificuldades no 1º tempo, mas viu a defesa do Náutico entrar em colapso na etapa final e saiu de campo com um sonoro 3×0 no clássico regional. Gols de Ignácio, Davó e Everton.

Com esse triunfo, o Bahia encerra a sequência de cinco tropeços consecutivos na Fonte Nova. Para o Náutico, não tem fim de jejum. O Timbu chega a cinco derrotas consecutivas na Segundona e já não sabe o que é não sofre gol em um jogo há 12 rodadas.

Laterais Matheus Bahia e Thiago Ennes em lance de Bahia x Náutico
Felipe Oliveira/EC Bahia

Como fica?

Após a goleada, pouco muda na tabela. O Bahia agora é 3º, com 37 pontos, uma folga de 7 sobre o Sport, 1º time fora do G4. O Náutico, por sua vez, segue na vice-lanterna, com 18 pontos. O Timbu está a 3 do Operário, 1º time fora do Z4 – com um jogo a menos.

Agora, o Esquadrão se prepara para dois novos confrontos regionais. Às 16h do sábado da próxima semana, o próximo jogo do Bahia é contra o CSA, também em Salvador. Depois, em São Luís, o time visita o Sampaio Corrêa na terça-feira seguinte.

Para o time pernambucano, o próximo jogo do Náutico será um novo compromisso longe de casa. O time viaja para Ponte Grossa, onde enfrenta o Operário Ferroviário às 19h da próxima sexta-feira.

Atacante Kieza e volante Emerson Santos em jogo Bahia x Náutico
Felipe Oliveira/ECB

Bahia x Náutico

1º tempo: Náutico controlando ritmo

Os mandantes começaram o jogo buscando uma proposta mais ofensiva. Assim, as melhores chances do 1º tempo foram do Bahia: aos 8, Emerson Santos bateu da intermediária e parou na trave; aos 26, Rodallega recebeu de cara para o gol após escanteio e bateu no susto para fora.

Mas isso não quer dizer que o Náutico tenha feito um 1º tempo apagado. Ajustando sua proposta, o Timbu teve uma posse de bola maior e conseguiu abaixar bastante o ritmo do jogo e controlar na defesa.

Mas quando não tinha a posse, a retaguarda alvirrubra era falha, deixando espaços e falhando na marcação individual. Para a sorte do Náutico, o ataque do Bahia sofria para aplicar velocidade e incomodar. E o ataque do Timbu conseguia ser ainda pior nesse aspecto.

Volante Souza, do Náutico, em lance do jogo conta o Bahia
Felipe Oliveira/ECB

2º tempo: Ritmo baixo e gols do Bahia

A história do jogo não mudou muito depois do intervalo. O Bahia até tentou aumentar um pouco o ritmo para construir sua força ofensiva em campo, mas o Náutico manteve a sua proposta de manter o jogo em banho-maria e vacilar na defesa quando sem a bola.

Assim, as melhores chances foram novamente baianas – todas em vacilos da defesa pernambucana. E os gols não demoraram a sair. Aos 26, a defesa do Náutico bateu cabeça em cobrança de falta e Ignácio recebeu livre por trás da defesa para bater para o gol.

O Náutico tentou subir e o Bahia matou o jogo em contra-ataque apenas três minutos depois. Ralph deu um passe na fogueira para João Paulo e Matheus Davó conseguiu roubar na faixa central e partir sozinho para, cara a cara, tirar de Lucas Perri e ampliar.

Perdendo, o Náutico teve que subir as linhas e a vida do Bahia ficou fácil nos contra-ataques. Aos 38, mais uma falha da defesa e Davó encontrou Everton na área e o jovem bateu de primeira, na saída de Perri, para fechar o placar.

Veja a análise do Blog de Cassio Zirpoli para o jogo

Ficha do jogo

Bahia (2)
Matheus Claus; André, Ignácio, Luiz Otávio e Matheus Bahia; Rezende, Emerson Santos (Miqueias) e Warley (Victor Jacaré); Jonathan Copete (Everton), Raí Nascimento (Matheus Davó) e Hugo Rodallega (Patrick Verhon). Técnico: Enderson Moreira.

Náutico (0)
Lucas Perri; Thiago Ennes, João Paulo, Bruno Bispo e João Lucas; Jobson (Luis Phelipe), Victor Ferraz (Ralph), Souza e Jean Carlos; Geuvânio e Kieza. Técnico: Elano Blumer.

Local do jogo: Arena Fonte Nova, em Salvador-BA
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza (FIFA-SP)
Assistentes: Fabrini Bevilaqua Costa (FIFA-SP) e Daniel Luiz Marques (SP)
Gols: Ignácio (26’/2ºT | BAH), Matheus Davó (29’/2º T | BAH), Everton (38’/2ºT | BAH)
Cartões amarelos: Matheus Davó, Everton (BAH) e Jean Carlos (NAU)
Público: 28.835 torcedores
Renda: R$ 585.596,00

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Trending

Copyright © 2020 NE45. Todos os direitos reservados