conecte-se conosco
Raphael Macena, atacante do Santa Cruz Raphael Macena, atacante do Santa Cruz

PESanta CruzSérie DÚltimas

Santa Cruz e Retrô fazem jogo disputado, mas empatam na ida do mata-mata da Série D

Publicados

em

Tricolor e Fênix criaram chances ao longo da partida, que foi quente e contou com lances mais ríspidos. Decisão fica para a volta, na Arena de Pernambuco

Um jogo bastante disputado neste domingo, (24), no Arruda. Santa Cruz e Retrô brigaram bastante, mas o empate permaneceu no placar. 0 a 0 e decisão da vaga nas oitavas de final da Série D fica para o jogo da volta. Novo empate leva a decisão para os pênaltis. Quem vencer, passa de fase.

Quando Santa Cruz e Retrô jogam?

O jogo da volta entre o Tricolor e a Fênix acontecerá no dia 1 de agosto (segunda-feira). A partida está marcada para a Arena de Pernambuco, às 20h.

Santa e Retrô empatam no Arruda e fênix estipula ingresso mais caro de PE na volta

Retrô começa melhor, Santa Cruz iguala e ânimos ficam quentes

O primeiro tempo teve diferentes momentos. Nos primeiros 20 minutos, o Retrô foi superior no Arruda, principalmente por apostar nos contragolpes com a defesa coral exposta. Mas isso não quer dizer que o Santa Cruz não tenha agredido neste período para assustar. Porém, as melhores chances foram da Fênix.

Logo aos 4 minutos, Matheus Serafim desceu em velocidade pela direita, bateu cruzado e mandou perto da trave. Com o time tricolor apresentando dificuldades para sair jogando, o Retrô se aproveitava para recuperar a bola na intermediária e atacar. Aos 9, Matheus Serafim chegou bem novamente pela direita e mandou forte, muito perto do travessão.

O Santa Cruz respondeu em finalização de Arthur, da intermediária, aos 13 minutos. Jean estava atento e espalmou para escanteio. Aos 20, Ítalo Silva cruzou para Hugo Cabral, nas costas da defesa, mas o atacante pegou muito mal e desperdiçou boa oportunidade.

Na 2ª metade da etapa inicial, o jogo ficou mais truncado. Porém, ainda bastante quente. Os ânimos ficaram acirrados, faltas mais duras começaram a acontecer e algumas confusões também. Nessa reta final, a única chegada boa aconteceu do lado coral, em chute de Macena da entrada da área que Jean falhou ao tentar segurar, mas a bola saiu para escanteio.

Hugo Cabral, do Santa Cruz
Principal jogador do Santa Cruz na Série D, Hugo Cabral pouco produziu contra o Retrô. Foto: Evelyn Victoria/Santa Cruz

Fênix perde gol feito, jogo truncado e empate permanece

A etapa final começou de maneira semelhante ao 1º tempo. Retrô era melhor, pressionava a saída de bola do Tricolor e criou grandes oportunidades. Uma delas, inclusive, com a barra aberta.

Aos 5 minutos, Alemão perdeu a bola na intermediária e Franklin Mascote arrancou pela esquerda. Ele invadiu a área e cruzou rasteiro na 2ª trave, onde aparecia Rodrigo Fumaça. Com Kléver batido e livre de marcação, o atacante da Fênix pegou mal na bola e mandou para fora.

A partida voltou a ficar truncada, com muitos erros de passe. Santa Cruz e Retrô tentavam acelerar o jogo sempre que possível e isso não dava certo. O Tricolor acionou o meia Chiquinho, que vinha como esperança de ser um referencial técnico na equipe. Porém, ele vinha bem marcado pelo adversário.

Aos 33, o Retrô conseguiu chegar em mais uma jogada de Franklin Mascote. Na linha de fundo, ele tocou para Radsley, que rolou para Gelson bater da entrada da área e obrigar Kléver a fazer defesa importante.

O duelo continuou com muitas faltas e o Santa Cruz tentou o abafa na reta final da partida. Porém, a falta de qualidade e a defesa bem postada do time visitante fez com que o Tricolor não soubesse traduzir o volume de jogo criado em finalizações.

Ficha do jogo

Santa Cruz (0)

Kléver; Jefferson Feijão, Alemão, Luan Bueno e Ítalo Silva; Daniel Pereira, Arthur (João Erick) e Wescley (Chiquinho); Matheuzinho, Hugo Cabral (Lucas Silva) e Raphael Macena (Rafael Furtado). Técnico: Marcelo Martelotte.

Retrô (0)

Jean; Felipinho (Pedro Costa), Renan Dutra (Yuri Bigode), Guilherme Paraíba e Mayk; Charles, Gelson, Matheus Serafim (Rodrigo Fumaça) e Radsley (Giva); Gustavo Ermel (Diego Cardoso) e Franklin Mascote. Técnico: Dico Wolley.

Local: Estádio do Arruda, no Recife-PE.

Árbitro: José Mendonça da Silva Júnior (PR).

Assistentes: Rafael Trombeta e Heitor Alex Eurich (ambos PR).

Cartões amarelos: Hugo Cabral e Matheuzinho (SCZ); Gustavo Ermel, Rodrigo Fumaça, Renan Dutra, Charles, Gelson e Guilherme Paraíba (RET).

Público: 19.811 torcedores.

Renda: R$ 436.990,00.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trending

Copyright © 2020 NE45. Todos os direitos reservados