conecte-se conosco

PESérie ASportÚltimas

Caso Gil: conselheiro do Sport envia defesa e Comissão de Ética se reúne por parecer

Koury recebeu pedido de exclusão por fala homofóbica contra ex-BBB

Publicados

em

Mais um passo foi dado em torno do pedido de exclusão de Flávio Koury do Conselho Deliberativo (CD) do Sport por ter reproduzido falas homofóbicas contra o ex-BBB Gilberto, há pouco mais de quatro meses. Após intimação da Comissão de Ética no fim de agosto, o conselheiro enviou a defesa sobre o episódio ao colegiado – o prazo de 15 dias úteis se encerrava nesta terça – , que, agora, planeja reunião para avaliar e elaborar um parecer ao plenário do CD, dando prosseguimento ao caso.

LEIA: Quase uma semana após acerto, Aguirre se apresenta e inicia trabalhos no Sport
LEIA: Na semana final de mercado, Sport também procura um meia para repor Thiago Neves
LEIA: Gramado da Ilha passa por manutenção e Sport x Fortaleza muda para Arena de Pernambuco

De acordo com Silvio Neves Batista, um dos cinco integrantes da Comissão de Ética, o grupo deve se reunir entre esta semana e a próxima para formular o relatório que será apresentado ao Conselho Deliberativo na primeira reunião subsequente do órgão, que se encontra de maneira ordinária na segunda terça-feira de cada mês.

O parecer da Comissão de Ética, aliás, não é definitivo e serve para elucidar o caso ao plenário, que pode acatar ou não. Os conselheiros serão, de fato, os responsáveis por julgar o processo – que pode culminar na retirada de Flávio Koury do CD; ou punição, como advertência ou suspensão; ou na absolvição dele.

Ainda segundo Silvio Neves Batista, o encontro da Comissão de Ética deve ser presencial e a ideia é que ocorra de maneira breve, porém, um dos integrantes está doente, o que pode atrasar o trâmite. “Vamos ver se agora nesta semana ou, no máximo, na outra, nos reunimos para elaborar o parecer ao Conselho Deliberativo. O objetivo é resolver o quanto antes”, disse.

O caso

As falas de Flávio Koury vieram à tona em áudios que circularam no dia 14 de maio nas redes sociais e rapidamente repercutiram de forma nacional. Logo em seguida à divulgação, torcedores do Sport lançaram uma campanha pedindo a extinção do conselheiro do quadro do Deliberativo, algo que não foi descartado por Pedro Lacerda, presidente do CD.

Além disso, em nota oficial, o clube prometeu providências sobre o ocorrido. E, fora os poderes do Sport, quem também se manifestou foi o capitão, Patric, que publicou vídeo em apoio a Gil do Vigor.

Depois, no clássico contra o Náutico, o Sport utilizou as cores da bandeira LGBT na braçadeira de capitão, em apoio à luta, além do nome ‘Do Vigor’, apelido de Gil, nas camisas de todos os jogadores no clássico. Na celebração do gol do Leão, inclusive, os jogadores comemoraram com a dança ‘tchaki-tchaki’, característica de Gilberto.

Comissão de Ética

No dia 8 de junho, em reunião ordinária, o Conselho Deliberativo criou a Comissão de Ética, que, ali, teria 30 dias – que poderia ser prorrogado por mais 30 dias, se necessário – para avaliar o caso. Porém, demorou mais de dois meses para que os integrantes do colegiado se reunissem pela primeira vez e dessem andamento ao processo.

Em julho, a explicação foi de que o momento político do clube – que passou por renúncias simultâneas e nova eleição – retardou o processo. Em agosto, o posicionamento dado foi de que não tinha havido sequer ainda a oficialização da Comissão de Ética.

Compõem o comitê, aliás, Fernando Pessoa, Silvio Neves Batista, Arsênio Meira de Vasconcelos, Paulo Belfort e Marcílio Paraíso, todos com serviços prestados ao clube – fator imprescindível, de acordo com Pedro Lacerda, assim como pertencerem à área jurídica, exceto o último da lista, que é arquiteto.

O que diz o estatuto?

Pelo estatuto atual do Sport, um sócio ou conselheiro só poderá ser excluído do quadro, entre outras coisas, caso “seja condenado em ação penal transitada em julgado, com pena de exclusão por ato desabonador” ou cometa “faltas graves contra interesses superiores ao Sport como: a) faltar com decoro social no recinto do clube ou do estádio. b) atentar contra a imagem do Sport, ou membros de sua administração, da sua equipe técnica, ou dos seus atletas. c) ser judicialmente condenado mais de uma vez, no espaço de cinco anos, por infração praticada na Ilha do Retiro, tipificada como tumulto, porte ou tráfico de drogas proibidas.

Trending