conecte-se conosco
Após dois jogos, técnico do Santa Cruz lamenta queda na Série D e analisa que faltou mais peças experientes no elenco Após dois jogos, técnico do Santa Cruz lamenta queda na Série D e analisa que faltou mais peças experientes no elenco

PESanta CruzSérie DÚltimas

Após dois jogos, técnico do Santa Cruz lamenta queda na Série D e analisa que faltou mais peças experientes no elenco

Publicados

em

Evaristo Piza tirou a responsabilidade dos jogadores do Tricolor, mas falou sobre aspecto onde a montagem foi falha

Depois da eliminação do Santa Cruz na Série D, ao ser derrotado pelo Iguatu, nenhum dirigente ou o presidente do clube fez um pronunciamento oficial, até o fim da noite deste domingo (23). Além de jogadores, que falaram na saída do campo, o técnico Evaristo Piza, com dois jogos no comando do clube coral, concedeu entrevista coletiva e lamentou o revés.

Piza falou sobre o sentimento de tristeza que bate sobre si, em ter chegado num momento onde a margem de erro era mínima e não ter conquistado a classificação do Santa Cruz para o mata-mata da Série D. Além disso, ressaltou que não se arrepende de ter aceitado o trabalho no clube em um momento tão delicado.

Santa Cruz: Evaristo Piza esboça time titular para decisão contra o Potiguar, pela Série D
Foto: Evelyn Victoria/Santa Cruz

“Esse momento é de tristeza, frustração, por não ter colaborado na classificação. Da minha parte, desde a minha chegada na quinta-feira, busquei ser o mais profissional possível, trabalhar muito, potencializar os atletas a conseguir a classificação, e disse a eles que não poderíamos ser taxados de incapazes”, iniciou o treinador.

“Isso frustra, mas não me arrependo de vir nesse momento de dificuldade, onde já vínhamos num momento adverso, de quatro jogos sem vitória. Infelizmente não consegui colaborar neste momento. O que posso deixar, na fala, é que o Santa Cruz é muito maior que nós. Tenho certeza que vai se reconstruir e reorganizar”, acrescentou.

“Dói muito. Peço desculpa aos torcedores por não ter conseguido o objetivo. Mas no período em que cheguei, não faltou trabalho e dedicação, até mesmo dos atletas. Os meninos da base também não tem culpa nenhuma. Para eles, isso é um amadurecimento na dor. Eles podem, no futuro, dar frutos ao clube. É isso o que deixo, uma palavra de força e de não estar arrependido de ter vindo. Estou frustrado por não ter colaborado”, pontuou Evaristo Piza.

Elenco muito jovem para a Série D foi um erro do Santa Cruz

A montagem de elenco do Santa Cruz para a disputa da Série D era alvo de críticas por parte dos torcedores. Além de faltar peças para alguns setores, como a zaga, algumas características também faltavam ao plantel e isso era bastante nítido. Mas um ponto em específico foi citado por Evaristo Piza. O perfil muito jovem dos atletas.

O treinador tirou o peso da responsabilidade da eliminação por parte dos jogadores. Ressaltou que todos fizeram o que esteve ao alcance deles. Mas, por outro lado, pontuou que enxerga que houve um erro na montagem de um grupo com tantos jogadores jovens.

Guedes - Santa Cruz
Zagueiro Guedes foi titular do Santa Cruz ao longo de toda a Série D. Foto: Evelyn Victoria/Santa Cruz

“Eu achei que, se for analisar um pouco o jogo contra o Potiguar e o de hoje, é um grupo que tem qualidade técnica, mas na minha percepção, é que é um grupo muito jovem. Para a divisão, talvez, em momentos decisivos, somando com lesões em alguns setores, pesou um pouco”, disse o comandante.

“É um clube que tem uma cobrança muito grande, e talvez a resposta de um garoto no processo final de formação pode pesar nesse momento. Eles lutaram e competiram, mas faltou o timing de um jogador mais carimbado na divisão. Na Série D não precisa ter um jogo construído, um caráter de formação tática. É preciso competir”, prosseguiu Piza.

Para o treinador, faltou ter mais atletas de experiência e rodagem numa Série D, que seriam importantes para aguentar a pressão em um momento tão delicado como o Santa Cruz vivia. Com isso, ele disse que fica a lição para que, num próximo momento, haja uma linha que privilegie essa experiência para suportar a pressão.

“A preocupação maior com o próximo projeto é escolher a dedo jogadores acostumados com esse tipo de competição. Não adianta trazer um nome que sempre figurou em divisões maiores para jogar um campeonato desse nível. Cada competição tem uma característica de atleta, e a Série D tem que ter jogadores com mais rodagem, para quando acontecer uma situação como essa fora de casa, a gente consiga suportar mais e reverter a situação”, falou.

Zagueiro Alemão, do Santa Cruz, em jogo contra a Juazeirense, no Arruda
Na visão do treinador, ter atletas mais experientes, como Alemão, ajudaria. Atleta foi dispensado ao fim do Pernambucano. Foto: Evelyn Victoria/Santa Cruz

Por fim, Evaristo Piza ainda citou o exemplo do que ele considerou um erro na montagem do elenco, foi a de dispensar peças experientes, como o zagueiro Alemão. Para ele, ter um jogador da rodagem dele, nesse momento crucial, poderia ter ajudado o Santa Cruz.

“Não estou atribuindo isso aos meninos, mas falo de ter esse equilíbrio entre os setores. A gente tinha o Alemão e abriram mão deles. Era uma liderança defensiva, capitão da equipe, que talvez num jogo desse nos ajudaria no setor. Acho que são esses detalhes que têm que ser revistos para um próximo projeto, de jogadores da divisão e que tenham personalidade para vestir essa camisa. Não é qualquer um que joga com ela”, encerrou.

Eliminado na 1ª fase, Santa depende do Retrô para ter calendário nacional em 2024

Trending

Copyright © 2020 NE45. Todos os direitos reservados