conecte-se conosco
Lateral-esquerdo Gonzalo Escobar, do Fortaleza Lateral-esquerdo Gonzalo Escobar, do Fortaleza

CECearenseCopa do NordesteFortalezaÚltimas

Fortaleza atualiza situação dos atletas feridos por atentado e ressalta cuidado com parte psicológica

Foto: Mateus Lotif/Fortaleza EC

Publicados

em

Diretor de saúde e performance do Leão conta como estão os atletas e ressalta que trauma psicológico recebe grande atenção

O Fortaleza atualizou, na tarde desta sexta-feira (23), a situação clínica dos jogadores vítimas do atentado que aconteceu no Recife, após a partida contra o Sport, pela Copa do Nordeste. Seis atletas do Leão do Pici se feriram após o ônibus ser atingido por bomba caseira e pedras, atirados por integrantes de uma uniformizada ligada ao Rubro-negro. Dentro dos cuidados tomados pelo clube, a parte psicológica vem recebendo atenção especial.

Quem falou foi o doutor Cláudio Maurício, diretor de saúde e performance do Leão. Ele destacou todos estão passando por um “transtorno de estresse pós-traumático” e que, até o momento, é difícil mensurar como vai ser a recuperação de cada um dos presentes no atentado. Mas que o Fortaleza quer cuidar para que eles não sofram com sequelas.

“É importante que a gente entenda que não só seis atletas que estão mais machucados que têm sequelas do que ocorreu. Todos os atletas, incluindo comissão técnica e diretoria que presenciaram aquilo, podem trazer sequelas psicológicas até no longo prazo. É o que chamamos de transtorno de estresse pós-traumático. É difícil mensurar como cada um vai responder”, destacou o médico tricolor.

Saiba mais

Situação dos atletas feridos do Fortaleza

O doutor Cláudio Maurício também falou sobre a situação clínica dos jogadores feridos com estilhaços de vidro, pedra ou mesmo da bomba caseira no atentado. O lateral-esquerdo Gonzalo Escobar é quem sofreu mais com os impactos dos fragmentos que o atingiu. Ele teve um trauma cranioencefálico (TCE) e sofreu com uma perda transitória de consciência nos minutos seguintes ao ocorrido.

Tanto ele, como os demais, estão passando por acompanhamento diário por parte do departamento médico do Fortaleza. O retorno dele, ao menos do ponto de vista físico, é o que deve demorar mais, justamente por causa da gravidade das lesões e pelo protocolo médico quando há um TCE.

Lateral-esquerdo Gonzalo Escobar, do Fortaleza
Foto: Mateus Lotif / Fortaleza EC

“Ontem fizemos uma visita ao Escobar, falamos com ele hoje também. Ele está com um pouco de dor nas áreas machucadas, muito inchaço ainda e bem abatido. É um atleta que, por ter tido um TCE, tem que seguir o protocolo de pelo menos uma semana de recuperação, evoluindo dia a dia para ver como ele responde. Nesse caso, foi um politrauma, contando com os traumas locais. Então vamos avaliar dia a dia o que ele pode evoluir”, afirmou o médico.

“Se o atleta tivesse só o TCE com o choque, sem cortes ou feridas, ele ia seguir o nosso protocolo tradicional. No caso, vamos tomando cuidado para saber o que ele pode fazer, além do cuidado com o sistema nervoso e os locais do trauma. Além de darmos todo o suporte a ele do ponto de vista psicológico e psiquiátrico, porque ele está bem abalado”, acrescentou.

De acordo com o dirigente, outros atletas, comissão técnica e dirigentes ficaram bastante abalados com o atentado. Ele citou o caso do atacante Lucero, que estava ao lado de Escobar no ônibus e ficou em estado de choque após o acontecimento. Enquanto isso, o médico do Fortaleza também detalhou a situação dos outros jogadores. Confira abaixo.

Números, estatísticas e mais sobre o futebol nordestino: Confira as últimas do Blog de Cassio Zirpoli

Titi, zagueiro

O Titi ainda está com um pequeno fragmento, que nem sabemos dizer se foi de vidro ou na bomba, alojado na região panturrilha. Ele vai ser avaliado por um radiologista para ver se localizamos esse fragmento e fazemos a retirada. Mas aparentemente está bem, conseguindo caminhar, mas com um pouco de desconforto e edema na região.

Brítez, zagueiro

O Brítez teve as lesões maiores nos dois tornozelos, com um deles bastante inflamado, com um acometimento próximo ao tendão de aquiles de um dos tornozelos e também com um pouco de desconforto. Vamos tentar, ao longo da semana, evoluí-lo.

Dudu, lateral-direito

O Dudu está com várias lesões pequenas de fragmentos na perna, braços e cabeça. Esses fragmentos foram retirados no Recife, mas ainda tem a sequela dos ferimentos e estamos acompanhando para ver a evolução dele. Sem esquecer que todos eles têm o abalo emocional do que passaram.

Lateral Dudu, do Fortaleza
Foto: Mateus Lotif / Fortaleza EC

Lucas Sasha, volante

Lucas Sasha tem várias lesões por fragmentos na perna e no braço, mas está com a evolução positiva e vamos ver se ele consegue começar os treinos mais precocemente.

João Ricardo, goleiro

O João Ricardo também sofreu um leve trauma na cabeça por um fragmento maior, que causou trauma direto, além do corte que foi suturado ainda em Recife. Ontem ele já estava um pouco melhor, com um pouco de dor, e a ideia é que a gente respeite os primeiros dias para a cicatrização evoluir, e se ele tiver confortável, evoluir na semana também.

Há previsão de retorno dos jogadores?

Temos que fazer um protocolo individualizado, porque cada qual vai evoluir de uma maneira, porque são lesões diferentes. Com o Escobar, já sabemos que ele não voltará em uma semana por causa do protocolo pós trauma cranioencefálico.

A resposta que eles vão ter após o estresse pós-traumático, e os ferimentos também dependem da evolução de cada um, já que é em área de trabalho, como pés, perna, braços. Quanto antes deixarmos essas feridas limpas e controladas, todos seguindo os protocolos para aliviarem o desconforto e evoluir, para voltarem a treinar logo.

Mas é difícil dizer quantos dias e quem vai voltar primeiro. O que posso dizer é que João Ricardo, Lucas Sasha e Dudu estão em melhores condições, Titi e Brítez no meio do caminho, e Escobar deve levar mais tempo na recuperação.

Veja o comunicado completo do diretor de saúde e performance do Fortaleza

Trending

Copyright © 2020 NE45. Todos os direitos reservados